Posts Tagged ‘wynns’

Wine Spectator: Top Ten

21 de Novembro de 2013

Dando prosseguimento à lista dos cem melhores vinhos de 2013, segundo a revista americana Wine Spectator, farei um Top Ten pessoal. A ordem dos vinhos apresentada abaixo não obedece nenhum critério, apenas visa sugerir alguns vinhos interessantes para serem provados e evidentemente, encontrados nas grandes importadoras do Brasil.

Analisando a lista, percebemos que um terço dos vinhos são norte-americanos, naturalmente enaltecendo exemplares de seu país. A despeito de ser justa ou não a inclusão dos mesmos, é inegável que os Estados Unidos ainda lidera com folga uma grande diversidade e qualidade dentre os países do chamado Novo Mundo. Pena que chegam poucos exemplares ao Brasil a preços praticamente proibitivos. Sem mais delongas, vamos à lista sugerida: 

  1. Croft Vintage Port 2011 – WS 97 pontos
  2. Hamilton Russell Chardonnay 2012 – WS 93 pontos
  3. Rioja Alta Viña Ardanza Reserva 2004 – WS 94 pontos
  4. Château Doisy Daëne Barsac 2010 – WS 94 pontos
  5. Achaval Ferrer Finca Mirador Malbec 2011 – WS 96 pontos
  6. Quinta do Crasto Reserva Old Vines 2010 – WS 93 pontos
  7. Wynns Cabernet Sauvignon Coonawarra Black Label 2010 – WS 91 pontos
  8. Champagne Louis Roederer Brut Vintage 2006 – WS 94 pontos
  9. Mastroberardino Taurasi Radici DOCG 2006 – WS 94 pontos
  10. Seghesio Zinfandel Dry Creek Valley Cortina 2010 – WS 94 pontos

Croft Vintage Port 2011

Além da Croft, as duas casas de vinho do Porto na foto acima, dispensam apresentações. A safra 2011 promete vida longa como uma das melhores deste novo século. Evidentemente, degustá-lo agora trata-se de um infanticídio completo. Quem tiver paciência, estará com um tesouro em mãos. Importadora World Wine (www.worldwine.com.br). 

Pioneiro na África do Sul

Hamilton Russell, apaixonado pelos vinhos da Borgonha, sonhou em ter um pedacinho dela na fria região de Walker Bay, África do Sul. Em parte conseguiu, com vinhos bem elaborados, cheios de personalidade, sendo sempre lembrados nas principais publicações. Vale a pena prová-lo. Importadora Mistral (www.mistral.com.br). 

Rioja Alta: Ícone da região

Sou suspeito em falar desta bodega, já comentada em artigos especiais neste mesmo blog. Seus vinhos são considerados os “borgonhas” da região. Elegantes, profundos e perfumados. Bela relação qualidade/preço em seu seleto portfólio. Importadora Zahil (www.zahilvinhos.com.br).

Doisy Daëne ao lado de grandes Sauternes

Para quem gosta de Sauternes delicados e elegantes, Barsac é a comuna a ser procurada. O rei é o Château Climens, com preços de realeza. Château Doisy Daëne, do grande enólogo Denis Dubourdieu, nos mostra toda a essência deste grande terroir. Importadora Casa Flora (www.casaflora.com.br). 

Achaval Ferrer: Artesanato em vinho

Outra bodega irrepreensível. Atuando em Valle de Uco na região de Mendoza (Argentina), procura sempre em seus vinhos, concentração, profundidade e definição de terroir. Finca Mirador forma a trilogia de seus grandes ícones (os outros são Altamira e Bella Vista). São necessários frutos de três parreiras para a elaboração de uma garrafa (rendimento de Romanée-Conti). Importadora Inovini (www.inovini.com.br). 

Um dos melhores exemplares do Douro

Partindo de vinhas com mais de setenta anos, plantadas conjuntamente entre 25 e 30 variedades, o vinho surge com uma complexidade e concentração singulares. Tinto de longa guarda que exige decantação para melhor expressar-se. Importadora Qualimpor (www.qualimpor.com.br).

Coonawarra: região diferenciada

Esta região australiana (Coonawarra) e em especial esta vinícola (Wynns) já foram devidamente comentadas em artigo específico neste mesmo blog. Região relativamente fria para os padrões australianos, Coonawarra costuma gerar tintos concentrados e com uma acidez vibrante. Os aromas de frutas em compota e um toque refrescante de menta são atrativos mais que suficientes para provar este tinto surpreendente. Importadora Mistral (www.mistral.com.br). 

Louis Roederer: Magia e Excelência

Sua cuvée de luxo Cristal faz o sonho desde os tempos dos Czares. Entretanto, toda sua linha é elaborada nos mínimos detalhes. Num degrau acima do Brut Premier, estão os millésimes de alta qualidade. Neste caso, o blend é composto de 70% Pinot Noir e 30% Chardonnay. O vinho-base é parcialmente elaborado em madeira e após a espumatização, o vinho passa quatro anos sur lies (em contato com as leveduras). Importadora Franco-Suissa (www.francosuissa.com.br). 

Mastroberardino: Referência na denominação Taurasi

Este belo tinto da Campania, sul da Itália, envelhece maravilhosamente bem. Elaborado com a estruturada uva Aglianico, o vinho passa por longa maceração e afinamento em barricas de carvalho. Potente, intenso e de grande personalidade. Importadora Mistral (www.mistral.com.br). 

Dry Creek Valley: grandes Zinfandéis

Este típico tinto californiano é elaborado com a uva Zinfandel proveniente do vinhedo Cortina em Dry Creek Valley, plantado em 1942.  Passa cerca de quatorze meses em barricas de carvalho, predominantemente francesas. Vinho de muito fruta, concentração e longa persistência. Uva de grande identidade americana. Importadora Mistral (www.mistral.com.br).

Evidentemente, o tinto do ano, CVNE Imperial Gran Reserva 2004, merece ser provado e foi objeto de artigo exclusivo na postagem anterior. Fica assim, algumas dicas para as festas de final de ano.

Terroir:Coonawarra

30 de Maio de 2011

Nas minhas aulas sobre terroir, sempre menciono esta região australiana, pertencente à sub-região South Australia, famosa também pelos belos Shiraz de Barossa Valley.

Coonawarra dista 400 Km a sudeste de Adelaide e está dentro da região denominada Limestone Coast, conforme figura abaixo. Pelo nome, a presença de calcário é marcante e especificamente em Coonawarra, o solo tende a ser pantanoso, com um lençol freático bastante alto. Entretanto, a norte da pequena cidade de Penola (em aborígene quer dizer grande pântano), existe uma faixa de terreno com dois quilômetros de largura por quinze de comprimento, onde há uma sobre-elevação do terreno com um solo absolutamente diferenciado, denominado Terra Rossa.

Limestone Coast: esta região já foi mar

Este solo é composto por uma camada de aproximadamente meio metro de argila vermelha, daí a origem do nome, seguida por uma fina camada de calcrete, a qual precisa ser quebrada para o aprofundamento das raízes da videira. Em seguida, temos um sub-solo de calcário puro com um bom suprimento de água. A figura abaixo esclarece a explicação.

Coonawarra: solo único

Geologicamente, Coonawarra ao longo de 600.000 anos elevou-se sessenta metros em relação ao nível do mar, passando por doze eras glaciais. Além deste solo de excelente drenagem e adequado suprimento de água para as videiras, Coonawarra dista apenas 60 km da costa meridional, com um oceano gelado e de ventos úmidos, sobretudo no inverno. O solo e clima da região, propiciam maturação lenta das uvas com ótimos níveis de acidez, fatores pouco usuais para padrões australianos.

Cabernet Sauvignon diferenciado

Nestas condições, a Cabernet Sauvignon ganha destaque em proporcionar vinhos diferenciados, embora a emblemática Shiraz também tenha sucesso. Os dados climáticos da região em termos de umidade, horas de sol e índices pluviométricos, se aproximam muito de Bordeaux, especificamente na região do Médoc, comprovando mais uma vez, a vocação da tardia Cabernet Sauvignon em Coonawarra.

O rótulo acima John Riddock da vinícola Wynns é prova de um autêntico Cabernet Sauvignon do Novo Mundo extremamente diferenciado. Apresenta níveis de acidez e estrutura tânica notáveis, proporcionando surpreendente longevidade. Os aromas de frutas escuras são de grande tipicidade, e um leve toque de menta reforça sua origem novo-mundista. Muito equilibrado e com boa expansão de aromas. Este vinho é importado pela Mistral (www.mistral.com.br) e pode ser tomado com tranquilidade até dez anos a partir de sua respectiva safra.

 


%d bloggers like this: