Posts Tagged ‘willamette’

Top Ten WS

16 de Novembro de 2018

Nesta época do ano, temos a famosa lista dos Top 100 da revista Wine Spectator. Dentro dos 100 melhores há os chamados Top Ten, revelados dias antes. Nesta edição 2018 temos três americanos, três franceses, três italianos, e um espanhol. Independente dos critérios e supostas preferências, trata-se de grandes vinhos muito bem pontuados. Alguns mais clássicos como o vinho do Ano, outros como novidades, e sempre alguns americanos. 

Embora as polêmicas sejam inevitáveis em torno dos americanos, devemos lembrar que a revista é americana. Portanto, nada mais natural que promover as pratas da casa. De todo modo, é bom não nos esquecermos que os Estados Unidos são a quarta potência no mundo do vinho e que seus Cult Wines são de fato maravilhosos, competindo em qualquer degustação com os melhores do mundo. Feita as devidas considerações, vamos a eles!

wine spectator bedrock heritage 2016vinhas plantadas em 1888!

10. Bedrock Heritage Sonoma Valley 2016

Tinto de vinhas muito antigas com 27 varietais, destacando-se Zinfandel (50%), Carignan (20%) e Mataro (4%). Vinho de grande concentração, sugerindo decantação de 12 a 24 horas. Bedrock vineyard é um vinhedo plantado em 1888 na região costeira de Sonoma.

9. Tenuta delle Terre Nere Etna San Lorenzo 2016

A Sicilia é talvez a região mais vibrante da Italia em termos de novidades e renovação, especialmente ao redor do monte Etna, no setor leste da ilha. Nerello Mascalese é a grande estrela como uva autóctone. Neste exemplar, San Lorenzo é um vinhedo especial de quatro hectares da vinícola tratado como Grand Cru com vinhas entre 50 e 100 anos plantadas em alberello ou vaso (modo antigo de plantio junto ao chão) numa altitude entre 700 e 750 metros. Após 16 a 18 meses de afinamento em diversos tipos de madeira francesa (apenas 20% de madeira nova), o vinho é engarrafado.

8. Le Vieux Donjon Chateauneuf-du-Pape 2016

Domaine localizada quase dentro de Chateauneuf-du-Pape, próximo ao mítico Henri Bonneau. Com a mesma filosofia, trabalha com vinhas antigas, sobretudo Grenache de vinhas centenárias, juntando uvas de vários vinhedos de diferentes terroirs. O blend para o tinto é composto de Grenache (75%), Mourvèdre (10%), Syrah (10%) e Cinsault (5%). A média de idade das vinhas ultrapassa 50 anos. A vinificação é tradicional e o vinho amadurece por 18 meses numa combinação de grandes toneis com uma pequena parte em cimento.

7. Colene Clemens Pinot Noir Chehalem Mountains Dopp Creek 2015

Elaborado com quatro clones especiais de Pinot Noir, as uvas são 100% desengaçadas com longa fermentação sob ação de leveduras naturais. Há uma pós-fermentação de 5 a 7 dias para maior extração. O vinho estagio 11 meses em barricas francesas de diferentes idades, sendo 28% novas. Chehalem Mountains é uma das AVAs de prestígio no extremo norte de Willamette Valley, próxima à cidade de Portland. Seu solo complexo e pedregoso é uma mistura de basalto (origem vulcânica) com sedimentos marinhos em colinas voltadas para o sul.

6. Aubert Chardonnay Carneros Larry Hide & Sons 2016

Terroir frio na entrada de Napa Valley, Carneros está sob a influência da baía de San Pablo. Chardonnay elaborado com mínima intervenção, fermentado em barricas francesas, predominantemente novas. Intenso e cremoso.

wine spectator dom perignon 2008a passagem do bastão

5. Moët & Chandon Dom Pérignon Legacy Edition 2008

Cuvée de grande prestígio, marca fundamentalmente a passagem de bastão do Chef de Cave Richard Geoffroy desde 1990, para Vincent Chaperon a partir da safra 2009. Com longo trabalho sur lies, um Dom Pérignon costuma demorar dez anos para ser lançado. Consistente safra após safra. Que a sucessão seja um sucessão!

4. La Rioja Alta 890 Gran Reserva Selección Especial 2005

O clássico dos clássicos em Rioja, talvez a denominação mais importante para tintos em toda a Espanha. Tempranillo (95%), Mazuelo (2%), e Graciano (3% dentre outras castas), formam o blend deste estupendo tinto que passa seis anos em diversas barricas com dez trasfegas ao longo deste período. Um vinho super elegante com uma profundidade e equilíbrio monumentais. Estará eternamente entre os melhores vinhos do planeta.

3. Castello di Volpaia Chianti Classico Riserva 2015

Vinhedos localizados em Radda in Chianti, região histórica do Chianti Classico. 100% Sangiovese cultivado em altitudes entre 400 e 500 metros de solo pedregoso de natureza argilo/arenosa. Passa cerca de 24 meses em botti da Eslavônia e parte em barricas francesas. Pode ombrear-se aos melhores Brunellos.

2. Chateau Canon-La-Gaffelière 2015

Saint-Emilion de ponta na classificação Premier Grand Cru Classe B. Situado a sul do Chateau Ausone e a oeste do Chateau Pavie em solo argilo/arenoso. A média de idade das vinhas é de 50 anos, com alguns lotes chegando perto de 100 anos. O blend é composto de Merlot (55%), Cabernet Franc (38%) e Cabernet Sauvignon (7%). O vinho amadurece com as lias entre 15 e 18 meses em carvalho francês, 100% novo. A safra 2015 dispensa comentários.

wine spectator sassicaia 2015Bolgheri Sassicaia: denominação de origem própria

O Vinho do Ano

Depois de 50 anos da primeira safra em 1968, o pai dos “supertoscanos” é o Vinho do Ano da Wine Spectator com a safra 2015. Oxalá ela tenha o mesmo êxito do mítico Sassicaia 1985, o melhor Sassicaia da história.

1. Tenuta San Guido Bolgheri Sassicaia 2015

O sonho da marquês Mario Incisa dela Rocchetta, um italiano apaixonado pelos bordaleses, tornou-se realidade. Elaborar o melhor corte bordalês na Italia, e seguramente entre os melhores do mundo.

Quando a imprensa inglesa provou as primeiras safras de Sassicaia, um mero Vino da Tavola, exclamou: “não pode ser um vino de mesa, é um supertoscano”. E assim nasceu o termo que revolucionou os tintos toscanos a partir dos anos 70. Localizada em Bolgheri, área marítima da Toscana, Tenuta San Guido com seu solo pedregoso (sasso), deu origem ao mítico vinho. Um corte onde a Cabernet Sauvignon é majoritária com pequena porcentagem de Cabernet Franc. Um tinto sempre elegante com o toque preciso das barricas bordalesas. 

Outros supertoscanos vieram pouco a pouco e continuam aparecendo, mas Sassicaia tornou-se um mito na enologia italiana, fazendo parte da elite mundial. 

Seria um belo painel para uma degustação de fim de ano. Próximo artigo, a análise completa dos Top 100 da Wine Spectator.

Top Ten Wine Spectator: Parte II

13 de Novembro de 2015

Continuando com os dez melhores vinhos de 2015, segundo a revista Wine Spectator, vamos comentar mais quatro deles a seguir. Não entramos no mérito da pontuação, apenas vamos fornecer algumas informações para conhecer melhor cada vinho.

6º lugar – Bodegas Aalto Ribera del Duero 2012 – 94 pontos

Situada na chamada Milla de Oro, Bodegas Aalto nasceu em 1999 predestinada ao sucesso. Seu enólogo e fundador é nada mais, nada menos, que Mariano Garcia, personagem importante por trinta anos do lendário Vega-Sicilia. O grande patrimônio da vinícola são suas vinhas antigas, entre 40 e 80 anos. Trabalhando com rendimentos baixos e boa condução enológica, seus vinhos reúnem potência e elegância como poucos.

Este exemplar 100% Tempranillo, localmente conhecida como Tinto Fino, estagia por 20 meses em barricas de carvalho francês e americano, sendo 50% barricas novas. O vinho Top da casa é o espetacular Aalto PS (pagos selecionados), de extrema concentração. Sem dúvida, uma ótima lembrança para o Top Ten.

5º lugar – Chardonnay Santa Cruz Mountains 2012 -95 pontos

Santa Cruz Mountains é uma AVA (Area Viticultural Americana) a sul de São Francisco. Embora latitudes mais baixas favoreçam temperaturas mais altas, as montanhas de Santa Cruz trabalham com altitude, tirando proveito do calor diário e ao mesmo tempo, beneficiando-se da amplitude térmica à noite com a queda de temperatura.

A vinícola Mount Eden Vineyards situa-se a 600 metros acima do nível do mar. Na verdade, é uma boutique especializada em Chardonnay, Pinot Noir e Cabernet Sauvignon premiados. No caso deste Chardonnay, a fermentação deu-se em barricas de carvalho francês, novas e usadas. Após a fermentação, o vinho estagiou por 10 meses nas barricas em contato com as leveduras. Esta é uma técnica de praxe na elaboração de grandes borgonhas como Meursault, Montrachet e Corton-Charlemagne.

Apesar de uma certa potência, a fruta é bem mesclada com a madeira. O grande diferencial é seu frescor, lembrando algo cítrico. Esses vinhos, apesar de já estarem extremamente prazerosos, podem ser envelhecidos por vários anos.

4º lugar – II Poggione Brunello di Montalcino 2010 – 95 pontos

Tenuta Il Poggione localiza-se no setor sul da denominação Brunello di Montalcino, mais especificamente em San Angelo in Colle. As vinícolas nesta região tendem a elaborar Brunellos mais modernos, mais acessíveis em tenra idade. Neste caso, Il Poggione tenta aliar tradição com modernidade.

O vinho em questão trata-se de um 100% Sangiovese Grosso com vinhas de pelo menos 20 anos. A maturação ocorre em botti (barris de dimensões maiores) de madeira francesa por 36 meses. Mostra-se macio, com muita fruta, e toques de tabaco e alcaçuz. Pode envelhecer por pelo menos mais quinze anos.

3º lugar – Evening Land Pinot Noir Hill Seven Springs Vineyard La Source 2012 – 98 pontos

Primeiramente, vamos decifrar este rótulo. Willamette é a maior AVA do estado do Oregon. Dentro de Willamette existem várias AVAs entre as quais, Eola-Amity Hills. Nesta AVA localiza-se a vinícola Evening Land. E este Pinot Noir provem do vinhedo Seven Springs. Portanto, estamos falando de Oregon, latitudes altas e clima frio, bom para Pinot Noir. Neste vinhedo Seven Springs, o solo é vulcânico, boa altitude e grande amplitude térmica, gerando vinhos de boa acidez e destacada mineralidade.

A fermentação dá-se em tanques de concreto e madeira abertos com pigeage para uma melhor extração de taninos. Posteriormente, o vinho amadurece em barricas de carvalho francês, sendo 30% novas, por dezesseis meses. Apesar de certa potência, o vinho apresenta camadas de frutas e flores, além de especiarias e mineralidade com longo final.


%d bloggers like this: