Posts Tagged ‘reserve des celestins’

A linha Norte-Sul do Rhône

29 de Abril de 2018

Ao longo do rio Rhône em direção à Provence, as vinhas preenchem a paisagem moldada por uma topografia absolutamente distinta entre Norte e Sul. Enquanto a norte, as vinhas de Syrah se agarram em encostas extremamente acidentadas, os arbustos baixos de Grenache sobrevivem sob um sol impiedoso no Rhône-Sul, numa paisagem plana e cheio de pedras. O mapa abaixo mostra em seus contornos, este contraste topográfico. E esta separação é bem nítida. Entre Valence e Montélimar, praticamente não há vinhas, marcando definitivamente a diferença de paisagens.

rhone valley

44 km separam o norte do sul

Devidamente apresentadas as regiões, um grupo de amigos sedentos se deliciou com quinze garrafas da mais fina flor destas duas regiões. Tudo que uma Syrah  e uma Grenache podem pleitear em termos de complexidade, nós descreveremos abaixo numa viagem de Norte a Sul, ou melhor, de Sul a Norte.

IMG_4564.jpgnorte e sul, lado a lado

Pela foto acima, dá para perceber a cor esquisita do Ermitage branco do Guigal. Infelizmente, estava oxidado e foi a única baixa do painel. Uma pena, porque são vinhas Marsanne e Roussanne entre 50 e 90 anos de idade num terreno escarpado que não chega a dois hectares nas encostas do Rhône-Norte.

Em compensação, seu rival Beaucastel do Rhône-Sul, estava deslumbrante e muito bem conservado. Manteve ao longo do almoço aromas persistentes, alternando toques florais, amendoados, de marmelo, de figo, e marron-glacê. Um vinho exótico, fugindo um pouco dos onipresentes Chardonnays. O blend é baseado na uva Roussanne (80%), e o vinho amadurece parte com cubas, parte em madeira usada, para não encobrir a fruta. Bela prova de que os brancos do Rhône bem vinificados podem envelhecer e chegar a sua maioridade (dezoito aninhos). 

a cor engana …

E agora José? quem é o 89? quem é o 90?. Só um dos confrades, nosso Maestro, é que matou de cara a charada. Diga-se de passagem, ele estava insuportável nos palpites, como diria o tio Ronnie. Acertou tudo na degustação. Voltando aos vinhos, por incrível que pareça, a cor mais clara é do Rayas 1990. Falar de Chateau Rayas, é falar dos Borgonhas de Chateauneuf-du-Pape. Um chateau absolutamente diferenciado que trabalha exclusivamente com vinhas muito antigas de Grenache num terroir único, em meio a um bosque. Sua vinificação tradicional e pouco intervencionista, expressa toda a pureza  e identidade desta apelação com vinhos muito bem moldados, equilibrados, e de grande complexidade aromática. Este exemplar de 90 tem nota perfeita, 99/100 pontos consistentes. O vinho está pronto, delicioso, com toques terciários de tabaco, ervas finas, e notas de sous-bois. Já o Rayas 89, está surpreendentemente vivo, vibrante, e com taninos a resolver. A diferença de apenas um ano, não justifica o contraste de cores. Embora tenha só 97 pontos, altamente discutíveis, é um monstro de vinho com capacidade de envelhecer por mais alguns anos em adega. Seus taninos são finíssimos, mas poderosos, além de um poder de fruta extraordinário. Enfim, um começo de prova arrasador!

IMG_4565.jpgo vinho dos Papas!

Depois deste par esplêndido de Rayas, só mesmo o mago Henri Bonneau para manter o nível. E como na foto acima, para ombreá-los, só mesmo a cuvée especial de Beaucastel, Hommage a Jacques Perrin, produzida somente em anos especiais como 1990.

Falar de Henri Bonneau é falar sobretudo de um mito, mais ainda depois de sua morte recente em 2016. Seus vinhedos, seus métodos de vinificação, sempre em segredos e obscuros, assim como sua adega num velho porão, onde fungos habitam em perfeita harmonia entre as antigas barricas, fazem deste personagem uma verdadeira lenda. O mestre da Grenache!

Este Reserve des Celestins 1990 bem a esquerda da foto, é uma verdadeira poesia liquida. Seus aromas terciários são quase indescritíveis. Boca harmoniosa, taninos de seda, e um devaneio na expansão de boca. Definitivamente, não há como pontua-lo. Atingiu a plenitude!

Em sua Cuvée Spéciale 1990, vinho do meio na foto, é uma garrafa raríssima. Esta cuvée só foi produzida em 1990 e 1998, onde as uvas Grenache atingiram um grau de maturação impar, em anos especiais. Sua graduação alcoólica é de 16,5°, um tipo Amarone ou Port Like. Esta cuvée chega a ser mais exclusiva que sua Cuvée Marie Beurrier, homenagem à sua tia querida. Percebe-se que o vinho ainda não está pronto com uma cor densa e firme. Já muito prazeroso de ser tomado, tem taninos e estrutura para bons anos em adega. Seus aromas de alcaçuz são de livro. Um privilégio provar esta raridade!

Só mesmo um vinho de 100 pontos consistentes para ladear esta dupla de Henri Bonneau, o lendário Beaucastel Hommage a Jacques Perrin 1990. Um tinto com a marca do Chateau, e seus característicos toques de Brett dos mais finos bastidores do Jockey Club. Esta cuvée baseia-se na casta Mourvèdre (60%), Grenache (20%) e o restante de Syrah e Counoise. Isso permite enorme longevidade para o vinho, diante da destacada estrutura tânica proporcionada pela Mourvèdre. Seu estágio em toneis de carvalho não compromete a fruta, por se tratar de madeira usada. Na degustação, assumiu uma posição intermediária em termos de evolução. Embora já prazeroso, tem estrutura para pelo menos mais dez anos em adega. Uma verdadeira referência dos mais nobres vinhos desta apelação. 

IMG_4560.jpgjavali com ervilhas e cebolas glaceadas 

Para acompanhar essas maravilhas, alguns dos pratos do Bistrot Chef Rouge, como esta costeleta de javali, foto acima. Uma brandade de bacalhau acompanhou os brancos acima descritos.

IMG_4556.jpgCuvée da Capo

Fechando o Rhône-Sul, mais um 100 pontos do Domaine Pegau com sua magistral Cuvée da Capo 2003. Podemos dizer que foi o infanticídio do almoço, mas um tinto de grande futuro. Suas vinhas são baseadas no melhor setor de Chateauneuf, o terroir de la Crau e toda sua pedregosidade. Com um blend de 70% de Grenache, e o restante entre Cinsault, Syrah, e outras, o vinho amadurece em grandes toneis de carvalho usados durante dois anos, numa vinificação bem tradicional. Um tinto musculoso, cheio de taninos finos, e aromas provençais (ervas finas, especiarias, alcaçuz). A previsão de sua maturidade está para 2040. Deve ser obrigatoriamente decantado para ser bebido nesta fase.

Bom pessoal, metade dos quinze vinhos já foi. Tomando um fôlego, no próximo artigo a segunda parte com tintos do Rhône-Norte, tão espetaculares como estes acima comentados. Hermitages e os sonoros La, La, Las …

 

 

 

 

 

Hommage a Henri Bonneau

29 de Agosto de 2016

O título do artigo mistura dois grandes nomes da apelação Chateauneuf-du-Pape, Chateau de Beaucastel e Henri Bonneau. A homenagem (hommage) tem duplo sentido. Hommage é uma cuvée especial do Chateau Beaucastel, elaborada somente em seus melhores anos. Além disso, o almoço abaixo foi num certo sentido uma deferência ao grande Henri Bonneau, falecido recentemente em março deste ano 2016. Assim como Henri Jayer, vai virar lenda, e seus vinhos serão disputados acirradamente nos melhores leilões e adegas do mundo. Esses Henris são um caso sério!

Henri-Bonneau

o mestre e seus velhos barris

Henri Bonneau

Numa ruela de Chateauneuf du Pape, uma porta sem atrativos em meio a tantas casas, fica a adega de Henri Bonneau. De família de vinhateiros, Henri Bonneau cumpria o papel em sua 12º geração. Respeitadíssimo na região, seus vinhos fogem ao padrão normal de excelência da apelação, mesmo dentre os mais reputados produtores.

Um papel branco pregado na porta acima da campainha após sua morte, diz mais ou menos assim: “não entra aqui quem quer, mas aqueles que tiveram o privilégio de passar alguns momentos não esquecerão”.

Voltando à adega, seus sub-solos escuros, enegrecidos, recheados de velhos tonéis, mais parece uma catacumba, contrariando todos os princípios modernos de higiene em adegas. O tonel mais novo não tem menos que dez anos de uso. Contudo, ali aconteciam milagres. Após bons anos de envelhecimento, Henri sob seus critérios pessoais decidia engarrafar algumas cuvées. Uma delas, celestial, de nome bem apropriado, Réserve des Célestins. Neste almoço, tivemos o privilégio de provar três safras famosas (1978, 1989 e 1990), de pontuação perfeita, se é que se pode dar nota a esses vinhos. Detalhe importante, apesar da descrição acima, nenhum sinal de Brett. Pelo contrário, aromas maravilhosos com fruta bem presente.

henri bonneau 78 89 90

as estrelas do almoço

Os vinhedos de Henri Bonneau de seis hectares encontram-se nas melhores parcelas da apelação, inclusive La Crau, um lieu-dit de alta reputação por seu distinto terroir. Basicamente só Grenache, com algumas pitadas de Mourvèdre, Counoise, Syrah, e Vaccarèse. Aliás, ele detestava Syrah, sempre dizendo que é uma uva imprópria para esta apelação. Suas vinhas são antigas, mas com certos limites. Para ele, o ideal, o esplendor de uma planta, é quando atinge 30 anos. Outro segredo, era sua colheita tardia, amadurecendo ao máximo os cachos. O resultado era estupendo, pois a vinificação costumeiramente entière (com engaço), produzia taninos sedosos, de textura impar.

Por todos esses detalhes, pelo seu carisma, talento e bom humor, o mestre Henri Bonneau vai deixar saudades e fazer história com um dos melhores tintos da França de todos os tempos.

Voltando ao almoço, sabiamente começamos pelo melhor, Henri Bonneau Réserve des Celéstins 1990. A cor levemente atijolada, mostrava um brilho e limpidez impressionantes, já que seus vinhos não são filtrados. Os aromas provocavam silêncio, reverência, tal a complexidade e delicadeza dos mesmos. Tabaco, sous-bois, chocolate, alcaçuz, flores como rosas, além da fruta madura vibrante, permeavam as taças numa sinfonia. A boca era um caso à parte. que equilíbrio! que taninos são esses! que final longo e suave! me recuso a dar nota. Uma maravilha!

linguine ao ragu de coelho

linguine ao ragu de coelho e pinoli

Para não ser repetitivo, este padrão manteve-se nas safras 89 e 78 com algumas ressalvas. A safra 1989 estava um pouco fechada por incrível que pareça, mas os aromas ressaltavam o chocolate e alcaçuz. A garrafa 1978 tinha uma cor inacreditável comprovando para muitos, ser a safra mítica desta cuvée. Era a cor mais intensa e mais escura do painel. Os aromas eram concentrados e o volume em boca, surpreendente. Para alguns dos presentes, o vinho tinha uma ponta oxidativa, certamente um problema de garrafa. Contudo, ficava claro o potencial desta safra de se tornar imortal, pois o tempo parece não passar ao longo dos anos.

Dentre os ótimos prato do almoço, a massa acima na foto casou muito bem com os tintos de Henri Bonneau, sobretudo pela delicadeza e profundidade de sabores, além da similaridade de texturas.

beaucastel hommage

um clássico da apelação

Justificando nosso artigo, o Chateau de Beaucastel Cuvée Hommage a Jacques Perrin 2001 fez bonito. Nem de longe mostra a idade com seus quinze anos de vida. Cor saudável, aromas complexos com a marca registrada  de um Brett de terroir, denotando um toque animal sempre presente em seus vinhos. Em boca, muito equilibrado, taninos presentes e muito agradáveis. Final longo e promissor. Um verdadeiro clássico da apelação.

Talvez o mais surpreendente dos Chateauneufs foi o Clos du Mont-Olivet La Cuvée du Papet 1990, pouco conhecido entre os presentes. Uma cor inacreditável para um vinho de 26 anos, rubi escuro e concentrado. Além da magnifica safra 90, as vinhas são muitos antigas em vinhedos de localização privilegiada, verdadeiros lieux-dits (terroir consagrados). Algumas das plantas datam de 1901, isso mesmo. A vinificação e envelhecimento são tradicionais, sem presença de madeira nova. Nesta cuvée top, praticamente só temos Grenache com uma pitada de Syrah. Aromas multifacetados, belo corpo, super equilibrado, e um final longo e harmônico. Mais um grande da apelação.

morlet vineyards

Morlet entre a surpresa do almoço

Para aguçar as papilas antes do almoço, dois brancos americanos de Sonoma da vinícola Morlet Family Vineyards. Um Chardonnay de Russian River e um corte bordalês de Sonoma County, ambos da safra 2012. Embora longe de seus originais, Bourgogne e Bordeaux topos de gama, os vinhos americanos de modo geral apresentam ótimos níveis de qualidade, sendo com folga o melhor que podemos encontrar no chamado Novo Mundo.

O Chardonnay Ma Princesse (nome de vinhedo) de Russian River mostrou-se equilibrado, num bom balanço entre acidez/maciez, e agradavelmente amadeirado. O processo de elaboração segue os padrões borgonheses com fermentação em barricas, seguida de bâtonnage (revolvimento das borras). O vinho é engarrafado sem filtração.

O corte bordalês La Proportion Dorée mescla dois terços de Sémillon, um terço de Sauvignon Blanc e uma pitada de Muscadelle. São sete vinhedos em Sonoma com idade entre 25 e 60 anos. Fermentação em barris, mais 10 meses de amadurecimento em madeira. O vinho apresenta bom corpo e maciez dados pela Sémillon, e um belo frescor vindo da Sauvignon Blanc. Os aromas de mel, ervas e flores, são bem harmônicos, num final prolongado e bem equilibrado.

Por fim, resta agradecer a companhia de todos em torno de grandes vinhos, ótimos pratos, e a conversa animada de sempre. Vida longa aos amigos!

Grandes Vinhos, Grandes Safras: Parte V

22 de Outubro de 2014

Agora deixando a Borgonha, e partida para Bordeaux. Chegando em Bordeaux, fomos almoçar em Saint-Emilion no Château Troplond-Mondot (pronuncia-se “Trolon-Mondô). Belo restaurante com menu bem executado. Estamos falando da margem direita de Bordeaux.

20141005_211214

Branco de margem direita

20141005_142152

A delicadeza de Pessac-Léognan

20141005_211234

À sombra do grande Yquem

20141005_141204

Pessac-Léognan de estrutura

Para dar início aos trabalhos, um quarteto muito  bem representado dos brancos bordaleses, vinhos de uma certa maneira subjugados frente ao enorme destaque dos tintos. De início, Jean Luc Thunevin Blanc nº 1 2009. Muito agradável, mas o menos complexo do painel. Madeira bem casada com a fruta e final fresco. O segundo trata-se de um branco bem elegante, Château Carbonnieux 2011. Aromas sutis, toques florais e textura delicada em  boca. Sempre um bom início de refeição. O terceiro vinho, o branco seco do Château d´Yquem, “Y” , Ygrec 2008. Elaborado com proporções semelhantes de Sémillon e Sauvignon Blanc, é um vinho marcante, com boa presença em boca e bastante gastronômico. Por último, um grande Pessac-Léognan, Domaine de Chevalier 2007. Um dos melhores de Bordeaux, apresenta ótima estrutura para envelhecimento. Bom corpo, textura macia e boa evolução de aromas. Fechou com chave de ouro esta série.

20141005_140115

Não estava em sintonia com os demais

20141005_143959

Chateauneuf-du-Pape de exceção

20141005_205909

Um dos melhores bouchonné

Na sequência de tintos, vamos abordar os três não bordaleses em primeiro lugar. Começando pelo Masseto 2001, foi o tinto que destoou no painel. É claro que se tomado individualmente, trata-se de um belo toscano baseado na casta Merlot. Contudo, diante dos bordaleses que virão a seguir, não há termo de comparação. Em seguida, um Chateauneuf-du-Pape fora de série do mítico produtor Henri Bonneau Réserve des Celéstins, uma cuvée especial de sua cave. Aromas lembrando o sul da França como garrigue (vegetação típica da Provence), ervas, especiarias e toques balsâmicos. Boca sedosa e extremamente longo. Por último, o que deveria ser talvez o vinho da viagem, o lendário Hermitage Paul Jaboulet La Chapelle 1961, estava bouchonné. Uma pena, mas sua cor, estrutura, e potência de taninos impressionaram.

20141005_140034

Concorrente à altura do astro Petrus

20141005_140202

Le Pin: Produção minúscula

20141005_140129

Petrus: Sempre misterioso

20141005_140213

Haut Brion em suas grandes safras

Enfim, chegou a vez dos bordaleses. E que vinhos, que safras! Uma sequência de 1990 inesquecíveis. Começando  pelo Château Lafleur 1990, um Pomerol de rara beleza. Boa evolução de aromas lembrando um toque terroso, cogumelos, ameixas escuras e chocolate. O mais pronto da trilogia. Em seguida, o minúsculo Chateau Le Pin 1990. Muita estrutura de taninos, ainda um pouco fechado, dando a certeza que uma boa decantação só trará benefícios. Muita vida pela frente. Por fim, o Chateau Petrus 1990. Uma criança ainda. Este é o Romanée-Conti de Bordeaux. Vinho misterioso, que não se revela facilmente. Apesar de seus mais de vinte anos, muitos segredos a serem desvendados. Um das grandes safras deste tinto. Realmente, não tinha como o Masseto ficar pequenininho.

Para não ficarmos só na margem direita, que tal para finalizar um Haut Brion 1989, um dos cem pontos de Parker. Safra histórica para esta estupenda propriedade de Pessac-Léognan. Uma maravilha já acessível, mas sem nenhum sinal de cansaço. Nos aromas, o característico toque animal, trufas, toques terrosos, algo de café, de chocolate, envolvidos em taninos sedosos. Um verdadeiro Premier Grand Cru Classe. Bravo!

Lembrete: Vinho Sem Segredo na Radio Bandeirantes (FM 90,9) às terças e quintas-feiras. Pela manhã, no programa Manhã Bandeirantes e à tarde, no Jornal em Três Tempos.


%d bloggers like this: