Posts Tagged ‘mouton’

Croupes Graveleuses: O caminho das pedras

24 de Junho de 2013

Médoc: Margem esquerda de Bordeaux

Mais uma vez voltamos a Bordeaux, mais especificamente em Médoc, a chamada margem esquerda. De todos os inúmeros fatores que fazem desta região um terroir de grande prestígio, o fator drenagem do terreno é em última análise o que determina a qualidade de um verdadeiro “Grand Cru Classé”. 

Para entendermos melhor esta história, voltemos ao século dezessete, onde engenheiros holandeses, especialistas em represamento de águas, drenaram toda a região do Médoc, até então encharcada de água, dificultando muito a agricultura local. Neste trabalho, foram executadas algumas valas de drenagem, muitas delas  servindo de divisa entre as comunas mais famosas como Saint-Estèphe, Pauillac, Saint-Julien e Margaux. Como resultado, em algumas áreas distintas, observou-se uma suave elevação de terreno (croupe), semelhante ao relevo de um campo de golfe. No entanto, em vez de grama, um solo pedregoso (graves), permitindo excelente drenagem e assim, acumulando água em camadas mais profundas. Para se ter uma ideia deste relevo em termos de altitude, o ponto mais alto do Médoc não passa de quarenta e três metros em relação ao nível do mar, sendo que os melhores vinhedos estão bem longe desta marca.

Graves: boa drenagem e calor para as vinhas

A origem destas pedras remonta milhões de anos, envolvendo cataclismos e eras glaciais, incluindo os Pirineus e o Maciço Central. Com o cíclico movimento das marés no rio Gironde, essas pedras acumularam-se exatamente nestas croupes, dando origem ao velho dita medoquino que diz: “as melhores vinhas são aquelas que olham o rio”. 

Pauillac - Vignes du Château Latour  en bordure de Gironde - Photo Michel CRIVELLARO

Château Latour: Vinhas olhando o rio

Esse fator, de certo modo, acaba influenciando na famosa classificação de 1855 dos crus bordaleses com a polêmica divisão em cinco níveis ou grupos, ou seja, do primeiro ao quinto caldo. Evidentemente, os cinco primeiros do Médoc (Haut-Brion, Lafite, Mouton, Latour e Margaux) não se discute. Seus vinhedos estão plantados nas melhores e mais espessas croupes da região. Entretanto, do segundo ao quinto caldo há muita dispersão entre as comunas.

Começando pelos Deuxièmes (segundos classificados), dos catorze châteaux escolhidos, cinco são da comuna de Saint-Julien e outros cinco da comuna de  Margaux. Embora Saint-Julien não tenha nenhum Premier Grand Cru Classé, as croupes estão bem espalhadas na comuna com châteaux de altíssimo nível. A comuna de Margaux impressiona mais ainda, por não ser tão compacta como Saint-Julien. É uma comuna mais extensa, mas mantém uma ótima distribuição das croupes. Isso é confirmado na classificação dos Troisièmes (terceiros caldos) com dez châteaux de Margaux entre os catorze classificados. Novamente, Saint-Julien e Margaux equilibram-se na classificação seguinte dos Quatrièmes (quartos classificados), onde temos dez châteaux no total. 

Já na última classificação, dos dezoito châteaux Cinquièmes (quintos classificados), doze são da comuna de Pauillac, ainda não mencionada nesta análise. Sabemos que dos cinco Premiers do Médoc, três são desta famosa comuna (Latour, Lafite e Mouton). Entretanto, a natureza não foi tão igualitária na distribuição das croupes, concentrando o que há de melhor para os três châteaux, com as camadas mais espessas de cascalho de todo o Médoc. Com isso, Pauillac é a comuna com maior disparidade entre os châteaux, confirmando outra máxima medoquina: “o solo do Médoc muda a cada passo”.

Saint-Estèphe - Château Cos d'Estournel -Deuxième Grand Cru Classé- Photo Marion CRIVELLARO

Cos d´Estournel: Château em grande forma

Saint-Estèphe, comuna ainda não mencionada, não foi tão abençoada pelas croupes, talvez até por sua posição geográfica em relação ao Gironde (é a comuna mais ao norte do Médoc). Contudo, as duas belas exceções são os châteaux Montrose e Cos d´Estournel. Aliás, na linguagem do Médoc, Cos significa Croupe.

Saint-Estèphe et PauillacJalle du Breuil: divisa de comunas

O mapa acima mostra na parte superior a divisa entre as comunas de Saint-Estèphe e Pauillac através da vala ou canal de Breuil, em francês Jalle du Breuil. Apenas quinhentos metros separam o Chãteau Cos d´Estournel do Château Lafite. Distância suficiente para diferenciar um Premier Cru de um Deuxième Cru. É a morfologia das croupes fazendo a diferença.

Bordeaux: Parte II

4 de Fevereiro de 2010

 

Margem Esquerda

Para começarmos a detalhar Bordeaux, vamos direto ao ponto: Vinhos da Margem Esquerda. Mas margem esquerda do que? margem esquerda do rio Gironde, sempre no sentido de olhar o mapa de Bordeaux, nunca esquecendo dos três grandes rios mostrados no artigo passado (Garonne, Dordogne e Gironde). A rigor, podemos incluir também a margem esquerda do Garonne, mas de fato é o Médoc, o grande astro desta constelação.

Médoc é a contração de uma expressão latina ¨in medio acquae¨, ou seja, entre as águas (Gironde e Atlântico). Essas águas até o século XVII, proporcionaram terras extremamente lodosas na região, impróprias para a viticultura. Duas ações muito importantes foram decisivas para mudar este cenário: plantação de pinheiros em todo lado atlântico do Médoc e um trabalho especializado de drenagem em todo lado direito por engenheiros holandeses (mestres nesta arte). Podemos dizer literalmente que o terroir medoquino foi forjado pelo homem.

As consequências foram extremamente positivas. Os pinheiros que hoje formam a floresta denominada Landes, com mais de um milhão de hectares, limitada a sul pelos Pirineus, barram os ventos úmidos e salinos do Atlântico. Já a drenagem próxima ao Gironde, fez aflorar um solo de cascalho, conhecido também como graves, oriundo de outras eras geológicas relacionadas a cataclismas tanto nos Pirineus, como no Maciço Central, além evidentemente, do próprio leito do Gironde. Devido a vários fatores como topografia e heterogeneidade do terreno, a drenagem em toda a região é bastante variável, dando margem a um velho ditado: o solo do Médoc muda a cada passo. Portanto, o fator drenagem é preponderante aos demais quando se fala de terroir em Bordeaux, notadamente na chamada margem esquerda, principalmente, porque a altitude é muito baixa, tendo como pico, 43 metros acima do nível do mar.

Disso tudo, vem a explicação para as famosas comunas do Médoc, como mostra o mapa acima. É interessante notar que Saint-Estèphe, Pauillac e Saint-Julien estão coladas e Margaux um pouco mais abaixo, isolada. Aqui percebemos claramente a ação da drenagem. O cascalho aflora com grande vigor nas três primeiras comunas e depois desaparece, voltando a florescer na comuna de Margaux.

Em consequência da boa drenagem, solo destacadamente pedregoso, e clima ameno permitindo um período de amadurecimento longo das uvas, a Cabernet Sauvignon sente-se em casa, mostrando todo seu potencial. Essas condições de terroir mostram vinhos extremamente estruturados, tânicos, longevos, sem jamais perder uma elegância singular.

A Cabernet Sauvignon no Médoc é complementada pela Merlot e Cabernet Franc, alem da Petit Verdot e Malbec eventualmente em proporções diminutas, formando o chamado corte bordalês. A Merlot principalmente, procura aparar as arestas da Cabernet Sauvignon, deixando o vinho mais macio e menos austero, sobretudo quando jovem. Em seu longo envelhecimento na garrafa, o famoso corte aportará complexidade aromática e textura diferenciada.

A proporção dos cortes, a vinificação cuidadosa e o amadurecimento criterioso  em barricas de carvalho são mais alguns segredos dos grandes bordeaux.

As quatro principais comunas guardam diferenças importantes entre si, além do estilo imprimido pelo  produtor tanto no campo, como na cantina.

Saint-Estèphe

Esta é a comuna de menor prestígio embora sem nenhum demérito. Costuma-se dizer que seus vinhos não possuem a finesse das demais comunas. Entretanto, há um certo exagero. Aqui notamos um solo um pouco frio, menos pedregoso e mais argiloso. Esses fatores provocam vinhos com mais acidez e certa austeridade, principalmente quando jovens, necessitando de algum tempo em garrafa. São vinhos para quem tem paciência em esperar seus ricos aromas terciários.

Do exposto acima, o vinho que mais emblematiza esta comuna é o Château Montrose, além de seu segundo vinho ser uma boa pedida (La Dame de Montrose). Seu grande rival é o Château Cos d´Estournel. Um estilo mais macio e moderno, mas extremamente elegante.

Pauillac

Para muitos, a perfeição em Médoc. Daqui saem três dos cinco primeiros classificados em 1855: Château Lafite, Mouton e Latour. Elegância enigmática, exuberância e imponência são respectivamente, expressões vagas para tentar definí-los.

Nesta comuna, a proporção de cascalho é alta, favorecendo toda a potencialidade da Cabernet Sauvignon. Os aromas de cassis na juventude e de tabaco na maturidade são notáveis. São vinhos sedutores, mesmo quando jovens, a exemplo do grande Château Pichon Lalande. Para completar, envelhecem com grande propriedade.

Outros châteaux de destaque: Lynch-Bages, Pichon Baron e Pontet-Canet.

Saint-Julien

Apesar de não possuir nenhum Premier Grand Cru Classé, seus vinhos são de tirar o fôlego, além de uma consistência impressionante.  O terroir é muito próximo a Pauillac com uma camada igualmente expressiva de cascalho. Mas como a vida é feita de detalhes, falta o imponderável que sobra em sua vizinhança. Dois châteaux exprimem bem a riqueza, a força e a personalidade desta comuna: o maior dos Léovilles, Château Léoville Las Cases e o irretocável Château Ducru-Beaucaillou.

Château Léoville Barton e Gruaud Larose  merecem destaque também.

Margaux

Elegância e feminilidade são marcas registradas desta comuna. Um pouco mais de cálcario no solo e um cascalho mais fino e abundante tentam explicar estas características. Aromas florais (violetas) principalmente quando jovem e um toque de sous bois quando evoluído, ditam suas principais características. O mítico Château Margaux é atualmente um dos melhores  entre os seletos Premiers Grands Crus Classés. Paul Pontalier, seu grande mentor, faz um trabalho preciso, discreto e contínuo desde 1983.

O segundo nome, quase uma unanimidade, é o exemplar Château Palmer, seguido de perto pelo Rauzan-Ségla. Château Durfort-Vivens pode ser uma boa experiência também.

Considerações finais

Todos os chãteaux mencionados até agora nas quatro famosas comunas do Médoc fazem parte da imutável classificação de 1855 que dividiu em cinco grupos os sessenta melhores vinhos da época, ou seja, premiers, deuxièmes, troisièmes, quatrièmes e cinquièmes crus, no linguajar francês. Esta classificação dos crus classés  está disponível no site oficial de Bordeaux (www.bordeaux.com).

Olhando mais uma vez o mapa acima, as quatro comunas fazem parte do chamado haut-médoc (toda área rosa claro), que inclui também as comunas não tão famosas, Listrac e Moulis.

Muitos châteaux não classificados dentro do haut-médoc tem boa reputação e muita regularidade, sendo portanto, discriminados por não fazerem parte da pomposa classificação aristocrática. Desta injustiça, nasceu a interessante classificação da burguesia, os chamados crus bourgeois. Podem ser excelentes pedidas tanto pelo preço, como pela evolução mais rápida em garrafa. Neste contexto, a menção do château Sociando-Mallet é obrigatória. Vinho de alta distinção com todas as credenciais do estilo médoc. Os châteaux Chasse-Spleen, Gloria e Phélan-Ségur geralmente são pedidas certas.

Em resumo, podemos dizer que os vinhos da margem esquerda fundamentam-se na Cabernet Sauvignon, monstrando-se austeros e estruturados. Portanto, aptos ao envelhecimento.

Fora da classificação de 1855 e da relação de Crus Bourgeois, ainda que anulada temporariamente desde sua última revisão em 2003, as chances de sucesso nos demais châteaux, que não são poucos, tornam-se diminutas. Nestas situações, conhecer a fundo o produtor é fundamental para a perfeita expressão de seu respectivo terroir.

Próxima parada: Graves com seus grandes brancos e tintos.


%d bloggers like this: