Posts Tagged ‘lynch-bages’

Pauillac x Pessac-Léognan

5 de Junho de 2017

Neste artigo de número 700, vamos falar de um assunto extremamente prazeroso no meu ponto de vista, vinhos de Bordeaux. O título acima já diz tudo, um embate entre essas duas comunas clássicas de margem esquerda, de estilos bem diferentes. Para isso, nada melhor que colocar duas taças lado a lado, de vinhos de mesmo quilate, de mesmo padrão de qualidade, e principalmente, de safras qualitativamente equivalentes.

lynch bages 1995

76% Cabernet Sauvignon, 15% Merlot, 7% Cabernet Franc, 2% Petit Verdot

15 meses em barricas francesas (60% novas)

Pauillac

Chateau Lynch-Bages 1995, também chamado covardemente como “Mouton dos pobres”. Na hierarquia desta badalada comuna que tem nada menos que três dos cinco primeiros de Bordeaux, segundo a classificação de 1855 (Lafite, Mouton e Latour), Lynch-Bages ocupa lugar de destaque num segundo ou terceiro escalão. Safras como 1989, praticamente perfeita, tem pontuações altíssimas e ainda com muito vigor para ser desfrutada.

Nesta safra especificamente de 95, o vinho obteve 89 pontos Parker. Tinto de corpo médio a bom, estrutura tânica relativamente discreta para um padrão Lynch-Bages, embora com taninos presentes e de alta qualidade. Os aromas de cassis, cedro, e um toque de grafite (mineral), são marcantes e bastante típicos. Muito bem equilibrado e de persistência aromática relativamente boa porém, sem grandes emoções. Concordo plenamente com Parker quanto à pontuação, a despeito de muitos marinheiros de primeira viagem poderem se emocionar e pontuá-lo indevidamente.

domaine chevalier 2004

53% Cabernet Sauvignon, 35% Merlot, 6% Cabernet Franc, 6% Petit Verdot

16 a 18 meses em barricas francesas (um terço novas)

Pessac-Léognan

Comuna nos subúrbios da cidade de Bordeaux, tem como tesouros os magníficos Chateaux Haut-Brion e La Mission. Num patamar inferior e de equivalência relativa à sua respectiva comuna se comparado ao vinho anterior, Domaine de Chevalier prima muito mais pelos seus ótimos brancos, partindo de uma opinião bem pessoal. Contudo, a safra 2004 com seus 13 anos, encontra-se num bom momento para ser desfrutada, salientando que ainda tem um bom platô de evolução.

Comparando as taças lado a lado, notamos de cara a comprovação das cores, levando em conta a diferença de tempo nas safras e as características de cada comuna. Enquanto o Pessac-Léognan apresenta uma cor de intensidade média com conotações de borda tendendo a um leve atijolado, o Pauillac mostra uma cor um pouco mais acentuada e menos evoluída. A diferença de idade entre ambos são de nove anos. Isso mostra claramente que os Pauillacs são vinhos mais longevos, demoram mais em sua evolução, e apresentam uma estrutura tânica bem mais firme. 

Aromaticamente, as diferenças e as respectivas tipicidades continuam a confirmar a teoria. Pessac-Léognan muito mais aberto, mais abordável, mostrando seus toques elegantes de notas animais (couro, estrabaria), e de ervas finas, além de um frutado vigoroso. Já o Pauillac, mais sisudo, mais austero, mostrando toda a aristocracia da comuna. Parker confere 90 pontos para este 2004, Domaine de Chevalier.

Reforçando as diferenças de terroir entre as comunas, observamos que a porcentagem de Cabernet Sauvignon no corte de Pauillac é sensivelmente mais alta, ressaltando a tão propalada austeridade. Em contrapartida, a maior participação da Merlot no corte de Pessac-Léognan, reforça o caráter de precocidade do vinho. A maior proporção de argila e areia nestes solos de Graves, favorece o plantio e amadurecimento da Merlot.

O polêmico Parker pode ter todas as ressalvas quando julga por exemplo, vinhos da Borgonha, do sul da França, da Espanha, e outras regiões que não são propriamente sua praia. Agora, uma pessoa que provou exaustivamente todos os grandes chateaux de Bordeaux nas principais safras do século XX, tem competência de sobra para pontua-los sem bairrismos. Suas notas são extremamente seguras e consistentes.

Taninos, os vilões à mesa

Análises e comparações à parte dos vinhos acima degustados sem interferência da comida, vamos agora à mesa para observarmos o desempenho de ambos. O prato era uma carne de panela num caldo de longo cozimento acompanhado de batatas ao forno com azeite e alecrim. Domaine de Chevalier saiu na frente, mostrando corpo adequado ao prato, acidez na medida certa, taninos brandos e razoavelmente resolvidos. Enfim, um vinho mais afável aos sabores e simplicidade do prato. Já o Pauillac, não desceu de seu pedestal. Um tinto aristocrático,  cerimonial, e principalmente com uma carga tânica dissonante com o prato.

queijo saint paulin

Em seguida, tivemos um queijo Saint-Paulin bem fresco, macio, e de aromas bem delicados. É um dos queijos clássicos no acompanhamento de Bordeaux jovens e frutados. Novamente, Domaine de Chevalier tomou conta da cena. Seus taninos brandos aliados a uma boa acidez, deram o frescor e suavidade exigidas pelo queijo. Muitas vezes em enogastronomia, vinhos mais simples adequam-se melhor em várias situações, são mais ecléticos.

rondelli de salmão defumado

A entrada

Antes dos bordaleses, tivemos uma entrada de salmão levemente defumado, cream cheese, e espinafre picadinho, tudo enroladinho numa espécie de rondelli, conforme foto acima. É um prato de textura densa e ao mesmo tempo, de sabor relativamente delicado.

gerovassiliou sauvignon blanc 2005

A harmonização ficou por conta do Domaine Gerovassiliou Sauvignon Blanc grego estilo fumé, foto acima. O vinho foi fermentado e amadurecido em barricas de carvalho francês. Sua textura mais rica e seu lado fumé foram os pontos relevantes na harmonização. Epanomi, é uma microrregião bem ao norte da Grécia. Importadora Mistral (www.mistral.com.br).

Anúncios

Bordeaux 1961: Allegro Moderato

18 de Agosto de 2015

Feitas as apresentações e o início do encontro com o espetacular Dom Pérignon P3 (Plenitude 3) 1973, vamos ao embate dois a dois dos grandes Bordeaux 1961, devidamente abertos e decantados. A ordem que se segue não foi exatamente esta, mas resolvi comentá-los de acordo com o nível de cada confronto num crescente cada vez mais dramático.

Margaux versus Graves

Dois grandes châteaux, representantes autênticos de suas respectivas comunas de margem esquerda. O primeiro, líder inconteste da comuna de Margaux que neste ano deixou a desejar. Por se tratar de um Premier Grand Cru Classé, algo desandou nesta safra. A elegância, a finesse, estavam presentes, mas faltava estrutura para vencer as décadas que se espera de um vinho deste naipe. Este exemplo se enquadra bem nas características da safra 61, ou seja, é preciso pesquisar chateau por chateau para não haver surpresas.

O segundo vinho, Chateau Pape Clement, da apelação Graves (é bom lembrar que a partir de 1987 os chateaux mais bem situados da região assumiram a apelação mais restritiva denominada Pessac-Léognan), foi marcado pela elegância e pelos toques de evolução, pontos em comum para a comparação neste primeiro confronto. Macio em boca, com os típicos aromas de trufas, cogumelos, mineral (terroso) e ervas finas. Bem acabado, equilibrado, muito prazeroso neste momento.

Saint-Juilen x Saint-Estèphe

Acompanhando o andamento Allegro Moderato, adentramos às comunas de Saint-Julien e Saint-Estèphe. Chateau Beychevelle trilhou o mesmo caminho do Margaux acima. Contudo, está mais condizente com sua história. É sempre um vinho que prima muito mais pela elegância do que pela potência e neste caso, cumpriu seu papel. Bem resolvido tanto em boca, como nos aromas de evolução. Final agradável, devendo ser consumido nesta fase. Não há porque esperar mais.

No segundo vinho damos um salto. Estamos diante de um grande Montrose. E este vinho não se curva ao longo do tempo. É viril, é marcante, é insolente. Estrutura tânica fantástica. Precisa ser decantado por pelo menos duas horas. Bom corpo, acidez marcante, aromas minerais, de ervas, especiarias, e um belo equilíbrio. Ainda tem caminho a percorrer. Só mesmo a safra de 1990 para poder supera-lo. O tempo dirá.

Os dois Moutons (pobre e rico)

Aqui começamos a entrar no tabernáculo dos grandes 61. Chateau Lynch-Bages à esquerda, maldosamente chamado de Mouton dos pobres, e o grande Mouton-Rothschild à direita. Ambos, refletindo a força e a nobreza da comuna de Pauillac. Lynch-Bages, cor densa, aromas profundos e de grande intensidade. Aqui o cassis permeia em notas minerais, empireumáticas (notadamente o café), resinosas e toques de couro. Encorpado, envolvente, taninos de rara textura com final de alta costura. Ainda tem muita conversa em adega.

Já o segundo vinho, Mouton-Rothschild, se não é perfeito, está muito próximo. Tem tudo que seu primo pobre tem, mas a vida é feita de detalhes. São esses detalhes que lhe dão as credenciais para um legitimo Premier Grand Cru Classé. Um tanino ainda mais polido, uma elegância difícil de mensurar e situar, entre outros mistérios. De todo modo, um embate de gigantes.

Um detalhe; neste época, Mouton-Rothschild ainda não era um Premier de direito, mas de fato. Essa honraria só seria concedida em 1973 pelo então presidente Valéry Giscard d´Estaing. As legendas do castelo mudaram, mas permanece sua personalidade e sua firme opinião: “Sou primeiro, já fui segundo, Mouton não muda”.

Timo: Textura delicada

Entre um gole e outro, ninguém é de ferro. Então, sempre aparecia um prato como da foto acima. Neste caso, um prato com Timo, pequena glândula localizada na cavidade torácica. Carne delicada, tanto no sabor, como na textura. Pedi vinhos de estirpe e de aromas elegantes. Perfeito para os vinhos aqui comentados. Evidentemente, Montrose e Mouton suplantaram um pouco a harmonização.

Agora os motores estão aquecidos. Que venha o próximo artigo!

Wine Spectator: Douro em destaque

24 de Novembro de 2014

A tão esperada lista de final de ano da revista americana Wine Spectator já está na mídia com o famoso TOP 100. O grande destaque para as primeiras colocações é a região portuguesa do Douro. Não só abocanhou o primeiro lugar com um Porto da espetacular safra de 2011, como dois grandes vinhos de mesa ícones da região foram muito bem ranqueados. Um deles, o respeitado Vale do Meão, conhecido também como “Barca Nova”, foi durante muito tempo um tinto fundamental no assemblage do mítico Barca Velha. O outro de estilo mais moderno, trata-se do Chryseia, parceria vitoriosa da família Symingnton (tradicional em Vinho do Porto) com a família Prats (ex-Cos d´Estournel), de tintos bordaleses de alto nível. Aliás, numa degustação relativamente recente na ABS-SP, ainda neste semestre corrente, esses dois vinhos de mesa estavam presentes. A degustação foi um sucesso.

Um clássico moderno

De um modo geral, a lista premiou 24 vinhos americanos, 19 italianos, 14 franceses, 9 espanhóis, 6 portuguese, 6 chilenos, 6 australianos e o restante dividido entre Argentina, Alemanha, África do Sul, Grécia, Hungria, Áustria, e Nova Zelândia. Dentre os destaques podemos citar algumas figurinhas carimbadas tais como: Don Melchor (Chile), Château Guiraud (Sauternes), Flaccianello (Toscana), Two Hands Shiraz (Barossa Valley), Château de Beaucastel (Châteauneuf-du-Pape), e Clos de Papes (Châteauneuf-du-Pape).

O vinho do Ano 2014

O vinho do ano, Dow Vintage Port 2011 surpreendeu até mesmo o espetacular Fonseca de mesma safra. Castello di Ama com seus vinhedos sublimes é sempre tiro certo na concorrida região do Chianti Classico. A safra de 2010 na Toscana e no Vale do Rhône promete grandes vinhos. Vários Pinot Noir foram destaque na Califórnia, mostrando grande potencial. Pessoalmente, algumas regiões são notáveis para esta temperamental casta, incluindo Russian River.

Douro de mesa potente

Apesar de toda a polêmica que cerca o lado ético da revista, a mesma exerce forte influência no mercado, sobretudo nas vendas para bebedores de rótulos. A habitual tendência em enfatizar os norte-americanos é sempre comentada. Contudo, a despeito dos rótulos premiados a cada ano, os Estados Unidos continua de longe fornecendo os melhores vinhos do Novo Mundo, sobretudo em padrões de exigência mais elevados. Além disso, é um grande produtor mundial da bebida e expressivo país importador não só de vinhos, como de destilados.

O primeiro nº 1 em 1988 da safra de 1985

Desde 1988, quando deu-se a primeira edição dos TOP 100, Estados Unidos e França travam uma disputa acirrada pelo vinho do ano. Bem atrás, vêm Itália com três toscanos (Solaia, Ornellaia e Casa Nova de Neri) e Portugal com dois Portos (Fonseca e Dow´s, o atual número um).

Grandes Vinhos, Grandes Safras: Parte VI

29 de Outubro de 2014

Dando prosseguimento à estada em Bordeaux, após o belo almoço em Saint-Emilion, fomos à noite jantar no badalado restaurante de Pauillac, Chateau Cordeillan-Bages, mesmo proprietário do Grand Cru Classe Chateau Lynch-Bages, Jean-Michel Cazes. Como de rotina, muitos pratos e muitos grandes vinhos.

20141005_212344

Safra 1989 bastante acessível

20141005_210140

Páreo duríssimo para seu rival Haut Brion

20141005_210103

Difícil decidir entre os dois rivais

IMG-20141006-WA0002

Safra 1961 esbanjando aromas

1389463_1514198422155463_1156636935_n

Safra mítica do grande Latour

20141005_210008

Um nota 100 notável

Nesta noite foi a vez dos velhinhos. E que velhinhos! Safras antigas de 55, 59  e 61. Todas altamente pontuadas, mostrando a incrível longevidade dos grandes Bordeaux. A exceção foi o vinho de entrada, Chateau Lynch-Bages 1989. Apesar de seus vinte e cinco anos, não foi páreo para os demais, embora seja um belo vinho. Macio, inteiro, com a força que caracteriza os grandes Pauillacs. Nos aromas lembra o Mouton com toques de torrefação (notadamente o café). O grande problema neste confronto é que está muito novo num painel deste porte. Contudo, tomado sozinho, um tinto que beira a perfeição. Muita vida pela frente. Iniciando agora os “velhinhos”, fica difícil qualquer comparação e descrição dos mesmos. Essas safras beiram a perfeição ou melhor, são absolutamente perfeitas com 100 pontos do rigoroso Parker. Como comparar Chateau Latour 1961, Chateau La Mission Haut Brion 59 e 61, Chateau Haut Brion 61 e o estupendo Chateau La Mission 1955? São vinhos de legenda, de sonhos. Contudo, dentro deste Olimpo, uma menção especial para o La Mission 55. O melhor Bordeaux desta safra com uma vitalidade, aromas impressionantes de rosas, lembrando um Borgonha e uma textura em boca indescritível. Sensacional! O melhor e mais surpreendente vinho da viagem. Já o Latour 61 é um mamute, um vinho indestrutível, uma estrutura tânica fantástica, quase indescritível em palavras. Os La Mission 59 e 61 tem que serem julgados no par ou ímpar. Absolutamente sedutores. No photochart, O Haut Brion 59 ganha por uma cabeça. Enfim, só provando-os para entender o esplendor dos mesmos.

Próximo e último artigo desta série, a viagem de volta com o embate dos grandes Bordeaux da mítica safra de 1982.

Lembrete: Vinho Sem Segredo na Radio Banedeirantes (FM 90,9) às terças e quintas-feiras. Pela manhã, no programa Manhã Bandeirantes e à tarde, no Jornal em Três Tempos.

Vinhos do Douro: Porto e Tintos de Mesa

26 de Agosto de 2013

A região do Douro sempre foi emblematizada pelo grande Vinho do Porto durante várias décadas com forte influência inglesa. Entretanto, nos últimos anos houve um notável interesse sobre a possibilidade de elaborar belos tintos de mesa, sobretudo com o movimento recente dos chamados “Douro Boys”, uma nova geração de enólogos, viticultores, muitos deles com nomes de tradição da região duriense.

Partindo do pioneiro Barca Velha na década de cinquenta do século passado, a produção de tintos de mesa sempre foi bastante tímida. Apenas alguns nomes como Quinta do Côtto com seu irretocável Grande Escolha, além de Duas Quintas com produção no Alto Douro ou Douro Superior pelo competente enólogo João Nicolau de Almeida, podem ser lembrados com grande destaque. Mais recentemente, temos belos tintos de mesa como Vale do Meão (deixando de fornecer uvas para a produção do Barca Velha e engarrafando seu próprio vinho), Quinta do Crasto, Quinta Vale Dona Maria, entre outros.

Neste cenário, a proporção de vinhos de mesa em relação ao todo poderoso Porto tem oscilado substancialmente, conforme alguns dados abaixo:

produção douro e porto (clique outra vez na tela seguinte)

A produção de vinho do Porto tem oscilado menos em relação ao total de vinho produzido no Douro do que a produção de tintos de mesa com denominação de origem. A produção de Porto na média é de aproximadamente metada (50%) do que se produz em todo o Douro. Já a produção de tintos de mesa com denominação de origem oscila bastante conforme o ano. Contudo, verifica-se uma certa tendência de alta nesta proporção para os próximos anos.

Um dos grandes tintos do Douro

A proporção na produção dos tintos de mesa em relação ao vinho do Porto varia bastante. Normalmente girava em torno de 35 a 40%, e atualmente, este número tende a ser acima de 50%. Conforme tabela acima, no período 2011/2012 este número chegou a ser de 71%, ou seja, fora da curva.

Outro dado interessante na tabela é que os vinhos de mesa comuns, mais simples, tendem a diminuir claramente sua produção. Já os espumantes que podem ser muito bons, apresentam expressivo crescimento nos últimos anos. 

O Douro Superior, a última das três grandes sub-regiões na produção de vinhos, está revelando grandes tintos de mesa e com certeza, nos revelará muitas surpresas num breve tempo. Numa comparação francesa, se o Alentejo é o Rhône de Portugal e o Dão é a Borgonha, O Douro está nos mostrando os Bordeaux de Portugal. Não é à toa que o respeitável Château Lynch-Bages associou-se à Quinta do Crasto para elaborar um tinto elegante chamado Xisto (referência ao grande solo do Douro).


%d bloggers like this: