Posts Tagged ‘liege’

DIAM: Revolução nas Rolhas

22 de Março de 2019

Se você encontrar um rolha que parece ser de aglomerado, preste atenção, pode ser uma rolha com a marca DIAM de alta tecnologia francesa. Esta empresa vende 1,8 bilhões de rolhas por ano, sendo 79% para vinhos tranquilos, 17% para espumantes e champagnes, e 4% para destilados. Movimenta 145 milhões de euros por ano.

Reparem os vinhos abaixo, Montrachet de produtores famosos, utilizando as rolhas DIAM. O principal motivo é a garantia da isenção do chamado Bouchonné, advindo do TCA, presente em pequena porcentagem nas rolhas de cortiça maciças. Isso posto, vamos entender todo o processo de fabricação.

reparem a marca DIAM na segunda foto

vinhos de elite confiando na marca

Tudo começa com a coleta da cortiça em regiões do sul da Espanha, Portugal, e também na França nas regiões da Provence, Languedoc-Roussillon e Córsega. A maior parte vem da Espanha, pois a área de sobreiros na França é sensivelmente menor.

Chegada a cortiça nas fábricas, tanto na Espanha, como na França, elas são tratadas e secadas antes da moagem das placas. Aí está o pulo do gato, destrói-se a cortiça, para reconstruí-la pelo processo Diamant, descrito no vídeo abaixo.

Na reconstrução da rolha, a cortiça moída é agregada com microesferas de origem vegetal e ligadas com cera de abelhas. Como podemos notar, são todos produtos naturais com respeito à natureza, de produção renovável  e sustentabilidade. Essas esferas de origem vegetal juntamente com a cortiça, vão permitir a perfeita elasticidade e permeabilidade das rolhas. O elemento de ligação é justamente a cera do mel das abelhas.

Relembrando o pulo do gato, a cortiça moída é colocada em grandes tubos altos e recebe de baixo para cima CO2 sob condições precisas de temperatura e pressão. A passagem deste gás através da cortiça moída permite retirar por vapor aromas indesejáveis, inclusive o inconveniente TCA e suas famílias. Esse é o ponto fundamental de todo o processo.

Voltando às fotos acima, reparem que ao lado da marca DIAM temos o número 30 em uma, e em outra as iniciais GG (Grand Cru). Tanto uma como a outra, refere-se às melhores rolhas por este processo, podendo garantir perfeita vedação por 30 anos. Elas são elaboradas com precisas dosagens das microesferas para garantir permeabilidade e elasticidade por longos anos em adega.

DIAM bouchonsdestilados, vinhos, e espumantes

Para vinhos mais simples temos as rolhas DIAM 1, DIAM 3, DIAM 5, DIAM 10 e DIAM 30. Resumindo, de acordo com a longevidade dos vinhos temos níveis de elasticidade e permeabilidade compatíveis com a necessidade e de acordo com preços mais justos com cada tipo de rolha. Os números correspondem a um, três, cinco, dez, e trinta anos, de armazenagem em garrafa, respectivamente.

Clientes de peso como Chateau Carbonnieux (Bordeaux), Chateau Angelus (Bordeaux), Billecart-Salmon (champagne), Louis Jadot (bourgogne), Comtes Lafon (bourgogne), Paolo Bisol (prosecco), Bodegas Rural (argentina), Grupo Peñaflor (argentina), aderiram ao sistema Diamant com depoimentos consistentes e de grande aprovação. Maiores informações: http://www.diam-bouchon-liege.com

Por outro lado, a Empresa Amorim portuguesa, a maior produtora de rolhas do mundo, em defesa de rolha de cortiça maciça, na busca incessante pela eliminação do TCA, o terrível bouchonné, vem desenvolvendo métodos cada vez mais eficientes. A última novidade trata-se da tecnologia chamada NDtech. Essa tecnologia é uma parceria entre a Amorim e uma empresa inglesa especializada em análise de cromatografia rápida. A rolha pode ser analisada em poucos segundos, sendo descartada automaticamente se apresentar níveis de TCA acima de 0,5 ng/l (ng é um nanograma, ou seja, um bilionésimo de grama). Para se ter uma ideia desta medida, é como se jogássemos uma gota de TCA em 800 piscinas olímpicas. Portanto, esse sistema da Amorim para suas melhores rolhas destinadas a vinhos especiais, garantem total proteção ao TCA. No caso do sistema Diamant, o rigor é ainda maior, com medidas inferiores a 0,3 ng/l. Maiores informações, http://www.amorim.com 

Em resumo, as maiores empresas que lidam com cortiça, e consequentemente rolhas, se mexem exaustivamente na eliminação total do TCA em seus produtos. As soluções vão surgindo e o consumidor e produtores de vinhos só tendem a ganhar, preservando os autênticos sabores do vinho, sem inesperadas frustações. 

 


%d bloggers like this: