Posts Tagged ‘importação de vinho’

Números Globais do Vinho

6 de Novembro de 2018

De tempos em tempos, Vinho Sem Segredo atualiza os números mundiais do vinho. São dados relativamente recentes da OIV (Organização Internacional da Vinha e do Vinho).

Superfície mundial de vinhas

Metade da área de vinhas no mundo concentra-se em cinco países pela ordem: Espanha, China, França, Itália e Turquia. O trio de ferro europeu concentra sua produção na elaboração de vinhos, maioires produtores mundiais. A China é muito expressiva na produção de uvas de mesa, enquanto a Turquia é um dos gigantes na produção de uvas-passas.

OIV grapes worldcomo cada país explora seus vinhedos

Uvas de Mesa

Três países concentram a produção mundial de uvas de mesa pela ordem: China, Turquia e India, sendo que só a China responde por um terço da produção mundial. 

Produção mundial de uvas-passas

Praticamente metade da produção de uvas-passas estão nas mãos da Turquia e Estados Unidos, pela ordem. Irã e China ficam com 25% do total, seguidos pelo Chile com 6% da produção.

Produção mundial de vinhos

Sem grandes sustos, os quatro primeiros do mundo continuam mantendo a seguinte hierarquia: França e Italia se revesam, Espanha em terceiro cada vez mais perto do podium, enquanto os Estados Unidos é o mais consistente quarto colocado. Daí para frente, a Argentina nos últimos tempos tem tido uma concorrência ferrenha, sobretudo da China.

OIV consumo mundial vinhoEstados Unidos: uma potência em todos os sentidos

Consumo mundial de vinhos

Quase 50% do consumo mundial está concentrado em cinco países pela ordem: Estados Unidos, França, Itália, Alemanha e China, lembrando que França e Itália são grandes produtores e o restante do grupo, grandes importadores. Os Estados Unidos jogam nos dois lados.

Portugal proporcionalmente, consume muito vinho com um índice de 54 litros per capita anual, seguido de perto pela França.

OIV exportação mundialEstados Unidos surpreendem nas exportações

Países exportadores

França, Italia e Espanha são os três maiores em valores exportados nesta ordem. Quando falamos de volumes, França e Espanha trocam de posição. Num patamar mais abaixo, Chile e Austrália travam uma briga ferrenha ano a ano.

OIV paises importadoresChina entra com tudo neste mercado

Países importadores

Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha são os três maiores em valores importados nesta ordem. Quando o assunto é volume, Alemanha e Estados Unidos trocam de posição. A China nos últimos anos vem forte para assumir a quarta posição, sobretudo em valores.

OIV paises e uvasuvas de grande destaque em produção

OIV uvas mais plantadasdestaque óbvio para as castas francesas

Uvas mais plantadas

Das tintas internacionais, Cabernet Sauvignon e Merlot estão entre as treze uvas mais plantadas que representam um terço da área de vinhas mundial. A Chardonnay é a uva branca internacional mais plantada com folga, chegando perto da Airén, ainda a uva branca espanhola mais plantada no mundo. Como curiosidade, a Kyoho é a uva de mesa oriental mais plantada no mundo entre todas (tintas e brancas).

Considerações finais

Embora Portugal participe modestamente dos números globais pela pequena dimensão do país, proporcionalmente é um dos gigantes do vinho, sobretudo em tradição com suas castas únicas. A renovação de sua indústria vinícola é notável com regiões como Douro e Vinho Verde em franco desenvolvimento, entre outras.

A Espanha, a despeito da sensível redução de suas áreas de vinhas, tem aumentado sua produtividade e qualidade de seus vinhos de uma maneira notável. A região da Galicia sem dúvida nenhuma caminha a passos largos, se destacando frente a outras já historicamente consagradas como Rioja e Ribera del Duero.

A China como país global, aumenta ano a ano significativamente sua área de vinhedos, e sua participação como país importador, sobretudo de vinhos europeus. O Chile como país exportador, pode ter grande êxito se cair nas graças dos chineses.

 

Champagne e Espumantes em números

12 de Fevereiro de 2017

Neste clima de verão, vinhos espumantes sempre caem bem. Não só para bebericar, como também à mesa. Já falamos em outras oportunidades que espumantes são excelentes parceiros para a gastronomia. Possuem acidez, corpo médio, álcool moderado e não são invasivos. Além disso, a gama de estilos e a variação de textura entre eles, permitem uma infinidade de combinações. Exceto com carne vermelha, praticamente combinam com tudo. Portanto, vamos ver como andam os números das borbulhas pelo mundo, sempre com a força e penetração do rei dos espumantes, sua majestade Champagne.

Apesar do Brasil elaborar bons espumantes, ter boa penetração no mercado interno, com vendas e produção crescentes, quando comparamos números nacionais com os principais produtores mundiais da bebida, percebemos um abismo quase intransponível. Senão, vejamos.

Em 2015 o Brasil produziu 13,8 milhões de litros de espumantes secos, 5 milhões de Moscatel. e 7,8 milhões entre filtrados e frisantes. Somando tudo, temos 26,6 milhões de litros, aproximadamente 35 milhões de garrafas. Guardem esses números.

A produção de espumantes no mundo gira em torno de 7% da produção total de vinhos. Isso corresponde por aproximadamente 18 milhões de hectolitros, ou seja, dois bilhões e meio de garrafas de espumantes.

A França fica com pelo menos 20% da produção. Alemanha e Itália ficam com aproximadamente 15% cada um. Da mesma forma, Espanha e Russia, 10% cada um. Em resumo, cinco países detêm pelo menos 70% da produção mundial de espumantes.

Quando falamos de Alemanha, falamos de Sekt. Da mesma forma, Proseccos e Asti para a Itália. E Cava para os espanhóis.

Esses países, além de produzirem, importam e exportam essas bebidas. Vejam alguns gráficos abaixo sobre o assunto.

espumantes-mundo-consumacao

grandes consumidores

É impressionante o que os alemães consomem de espumantes. Quase cinco garrafas por habitante/ano só de espumantes. O que produzem, que não é pouco, não dá para o consumo. A Rússia para quem não sabe, é grande produtor e consumidor da bebida. Estados Unidos se destaca na quantidade pela potência econômica que são, porém o consumo per capta é discreto. França, sempre em destaque nas estatísticas. E por fim, o tradicional hábito dos ingleses.

champagne-exportacao-importacao

a força da França e Champagne

Na exportação de espumantes, em volume dá até para encarar, mas quando se trata de cifras, a França englobando Champagne é covardia. Mais de 50% das borboulhas são do berço sagrado de Champagne. Não é à toa que a cada segundo, são abertos dez champagnes em algum lugar do mundo!. O nome de vinho mais conhecido no mundo. Em qualquer lugar, em qualquer língua, quando se fala “champagne”, todo mundo entende.

espumantes-paises-importadores

trio importador consistente

Basicamente, quando analisamos os gráficos acima de volume e valor, Estados Unidos e Alemanha trocam de posição, permanecendo o Reino Unido inalterado, ou seja, a Alemanha ganha no volume, mas perde em valor para a América. Esses são os grandes importadores da bebida, com algum destaque para Japão, Bélgica e Noruega.

Um pouco mais de Champagne …

A produção anual de champagne supera a marca de 300 milhões de garrafas por ano. Os estoques da bebida ficam em torno de um bilhão e meio de garrafas.

A França bebe metade da produção e exporta o restante. Do que é exportado, quase 90% são produtos das grandes marcas: Moët & Chandon, Veuve Clicquot, Pommery, Laurent-Perrier, Mumm, entre outras.

Essas grandes marcas formando cinco grupos poderosos como LVMH respondem por pelo menos dois terços das cifras de Champagne. Páreo duro para qualquer grupo de bebidas.


%d bloggers like this: