Posts Tagged ‘chateau certan de may’

Uma Seleção de Bordeaux

13 de Abril de 2019

A proposta foi a seguinte: trazer sua melhor garrafa de Bordeaux dos anos 80 e 90 para uma degustação às cegas. Foram onze garrafas abertas, formando uma verdadeira seleção onde o menos cotado pelos confrades, ainda assim, era craque frente aos inúmeros chateaux que desfilaram nestas duas décadas. Vamos então à escalação: Goleiro (Mouton 99), zaga (Leoville Las Cases 86, Mouton 83, Mouton 89), volantes (Vieux-Chateau-Certan 90, Beychevelle 82), meio de campo (Cheval Blanc 86, Chateau Certan de May 82), atacantes (Haut Brion 86, La Mission Haut Brion 89, Angelus 95). Um esquema com três zagueiros, dois volantes, sendo um de contenção e outro de ligação, um meio de campo criativo, e um ataque com centroavante goleador e pontas que voltam para marcar.

img_5972Mouton acessível, embora possa ser guardado

Como todo bom goleiro, foi degustado isoladamente. Um Mouton acessível, bem de acordo com a característica da safra. Taninos bem moldados, os toques de café e chocolate que caracterizam o chateau, além de um belo equilíbrio em boca. Um goleiro ainda em formação, mas com belo potencial pela frente. Nota 92 (RP).

img_5968uma zaga segura

Leoville Las Cases, zagueiro consagrado, mas vindo de contusão (bouchonée), ainda assim mostrou sua classe. De fato, era para ser o vinho da almoço com uma estrutura e cor extraordinárias, 100 pontos Parker. Infelizmente, uma garrafa comprometida. Em compensação, a dupla de Moutons supriu a deficiência do ilustre zagueiro. O Mouton 83 no nariz tinha lindos toques de cogumelos, mais precisamente funghi porcini seco. Já o Mouton 89 tinha uma boca deliciosa, de acordo com a sensual safra 89. Taninos sedosos e textura glicerinada. Notas 90 e 93 de Parker para os Moutons 83 e 89, respectivamente.

img_5965grandes safras em Bordeaux

Nesta dupla de volantes, Vieux-Chateau-Certan estava mais contido, cobrindo a zaga. Este vinho costuma ser surpreendente nesta safra de 90, mas não era das melhores garrafas. É um margem direita diferente, lembrando a estrutura tânica dos vinhos do Médoc pela presença de certo destaque das uvas Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc. Já o Beychevelle 82 é aquele volante que sai para o jogo. A safra 82 é o grande ano deste chateau de Saint-Julien. Especialmente esta garrafa estava muito bem adegada. O vinho tinha uma força extraordinária com frutas escuras presentes, notadamente o cassis. Um vinho de muito vigor e com vida pela frente.

img_5966outras grandes safras em Bordeaux

Neste meio de campo, Chateau Certan dá seus passes corretos, mas o Cheval Blanc bate um bolão. É o camisa 10 do time com imensa criatividade. Mesmo numa safra dura como 86, o vinho é de uma elegância ímpar. Em boca, esbanja equilíbrio e suavidade. Persistência aromática longa e expansiva. Voltando ao Chateau Certan, é um vinho que tem o charme de Pomerol numa bela safra. Tem uma boa estrutura tânica, embora seus taninos sejam um tanto rústicos para esta categoria de vinho. Notas: Cheval Blanc 86 (RP 93) e Chateau Certan 82 (RP 93).

img_5970ataque incisivo

Neste ataque de peso, os atacantes Haut-Brion e La Mission não estavam num grande dia. Opinião de muitos confrades com a qual não concordo. Haut Brion 86 tinha notas marcantes de chocolate amargo, cacau, e um toque terroso. Já o La Mission, 100 pontos Parker, é um vinho suntuoso, de grande poder aromático, boca ampla, e longa persistência aromática. De certo que as garrafas poderiam não ser as melhores, mas estavam longe de serem defeituosas. Enfim, são duas grandes safras de chateaux fora de série. Em compensação, em dias de atacantes pouco inspirados, eis que surge o goleador de quem menos se esperava, Angelus 95. Um vinho ainda novo, mas com uma bela estrutura. Taninos potentes e finos, bom corpo, e muito bem equilibrado. Tem muito poder de fruta, toques tostados e minerais de grande classe. Goleou de lavada seus dois companheiros de flight, supostamente superiores. Notas: Haut Brion (RP 93) e (RP 94). 

Para acompanhar esta seleção, o conceituado restaurante Picchi preparou um menu com pratos criativos e bem apropriados aos vinhos envelhecidos de Bordeaux.

sabores surpreendentes

Os pratos acima, lâminas de funghi porcini fresco grelhadas com pinoli, parecendo lâminas de berinjelas, estavam ótimas. Já a polenta cremosa com escargots no molho rôti, tinha muitas ligações de sabores com os tintos envelhecidos. Belos pratos!

Na foto abaixo, a massa Picchi, tradicional da Casa com molho de linguiça, e um dos melhores tiramisus na qual a foto, dispensa comentários.

tradicionais da Casa

final surpreendente

Finalizando o evento, uma bela Grappa di Sassicaia envelhecida em toneis de carvalho francês, acompanhando alguns mimos do restaurante no serviço de café. Uma Grappa sedosa, grande classe, e longa persistência.

Agradecimentos finais a todos os confrades pela companhia, boa conversa, e imensa generosidade de todos. Que Bacco nos proteja e nos guie sempre nos melhores caminhos dos grandes vinhos! Abraços a todos!

 

 

Um italiano na tropa de elite

11 de Março de 2017

Quando se trata do alto escalão francês, é sempre um problema mostrarmos belos vinhos de outros países, de outras regiões. Embora eles possam ser bastante atrativos, em muitos casos a comparação torna-se cruel. Não foi o caso deste Soldera Riserva 2005 em garrafa Magnum que não se intimidou frente a grandes bordaleses, sobretudo à mesa acompanhando os pratos.

soldera riserva 2005

elegância em Montalcino

Apesar de jovem, o estilo tradicionalista Soldera agrada sempre pela elegância e sutileza de aromas. Envelhecido por até cinco anos em botti (toneis grandes de madeira) da Eslavônia, o vinho se clarifica naturalmente, além da devida micro-oxigenação dada pela madeira. A cor é de pouca concentração, lembrando alguns Nebbiolos do Piemonte. Os aromas são etéreos, balsâmicos, rico em especiarias sutis. Embora aparente uma certa fragilidade, esses vinhos são capazes de evoluírem por décadas, pois possuem grande acidez e uma bela estrutura tânica. Aliás, falando em taninos, estes são de uma finesse notável, fruto da boa polimerização advinda do processo de envelhecimento. Além disso, como todo bom italiano, enfrentou bem os diversos pratos do almoço, especialmente um ragu de linguiça toscana acompanhado de polenta cremosa, foto abaixo.

gero ragu de linguiça toscana

textura e sabores sintonizados com o vinho

gero tropa francesa

elite francesa para intimidar

O ataque francês já começa arrasador, Batard-Montrachet Domaine Leflaive da ótima safra 2005. Apesar deste Grand Cru ter um estilo mais encorpado, comparado ao Chevalier-Montrachet por exemplo, Madame consegue um refinamento e uma delicadeza quase inacreditáveis. A área de vinhas para este Batard não chega a dois hectares. As parcelas variam as idades desde 1962, 1974, 1979, até 1989. Além das vinhas antigas, o trabalho de vinificação é primoroso. Vinificado e amadurecido em barricas de carvalho, sendo 25% em barricas novas. O vinho passa cerca de doze meses nessas barricas cujo o carvalho provem de Vosges (Alsace) e Allier (florestas do Centro). A comunhão da fruta e madeira é de perfeita integração. Os toques tostados e amanteigados são sutis, harmônicos, sustentados por uma acidez refrescante na justa medida. Um primor da Terra Santa.

chateau certan pomerol 99trotanoy pomerol 2005

a hierarquia de um terroir

Embora não haja uma classificação oficial para os vinhos de Pomerol, existe de fato uma hierarquia em sua elite muito clara. O primeiro tinto à esquerda, Chateau Certan de May, não confundir com Vieux-Chateau-Certan, outro grande Pomerol, é uma propriedade antiga na região com vinhas em terrenos argilosos e em parte, rico em pedras. Daí, 70% das vinhas serem Merlot, 25% Cabernet Franc e 5% Cabernet Sauvignon, sendo os Cabernets para os solos pedregosos. O vinho passa de 12 a 14 meses em barricas de carvalho, sendo entre 60 e 80% novas, conforme a safra.

A safra de 1999 não está entre as grandes, mas é bastante agradável, além de encontrar-se num bom ponto de evolução. Neste caso, os aromas de cacau, tabaco, cogumelos e toques terrosos estão bem presentes. Vinho de bom corpo, taninos presentes e talvez, extraídos demais. Precisa de decantação (aeração) e pratos substanciosos como o cordeiro abaixo.

gero jarret de cordeiro

massa e cordeiro para o Pomerol

Este Jarret de cordeiro guarnecido pelo Tagliolini com manteiga e sálvia escoltou muito bem os dois Pomerols. A textura macia da carne, o molho cheio de sabor, mas ao mesmo tempo delicado, enriqueceram os vinhos, além da sálvia alinhar-se com os toques de ervas dados pelos Cabernets. 

Quanto ao Trotanoy 2005, está no pelotão de frente dos grandes Pomerols. Com maior porporção de Merlot (90%) e o restante de Cabernet Franc, os solos são em parte argilosos com um subsolo rico em ferro (crasse de fer), e parte pedregosos num solo mais quente. De fato, a localização do vinhedo é excelente em termos de terroir. Em média, o vinho passa cerca de 18 meses em barricas de carvalho, sendo no máximo 50% novas.

Neste exemplar, o vinho encontra-se num período difícil que chamamos de latência. Os aromas ficam meio tímidos, relutando a surgirem. Mesmo assim, a fruta bem colocada, a mineralidade, são perceptíveis e de grande finesse. Percebe-se que a boca é de um grande tinto, com taninos finíssimos, muito bem equilibrado, e final bem acabado. Deve-se abrir nos próximos anos, podendo e devendo evoluir por décadas.

Mais uma vez, fica provado que os grandes Pomerols são vinhos difíceis na juventude, contrariando aqueles que pensam que a Merlot sempre gera vinhos fáceis de beber e bem acessíveis em tenra idade. A longevidade e lenta evolução destes tintos são impressionantes.

haut brion 88

a felicidade é palpável

Encerramos o almoço como começamos, vinhos extremamente prazerosos, independente da idade. Neste caso, estamos falando de um margem esquerda com quase 30 anos de uma safra que não está entre as excepcionais. Mas tratando-se de Haut Brion, o prazer é sempre garantido. Mesmo quando novo, abaixo de dez anos, é um tinto sempre abordável. Contudo, é capaz de evoluir por décadas. Os aromas além de complexos, são de uma tipicidade invejável. Os toques terrosos, de húmus, estrebaria, cogumelos, ervas, são marcantes e envolventes. Em boca, sempre harmonioso, não muito encorpado, mas com um equilíbrio fantástico. O fim de boca é preciso e intenso. Nem precisa da sobremesa.

Resta somente agradecer aos amigos, confrades de grandes jornadas, compartilhando companheirismo, alegria, boas conversas, tudo em torno da boa mesa e boa bebida. Aos ausentes, fica o puxão de orelha dos presentes. Abraço a todos!


%d bloggers like this: