Posts Tagged ‘buçaco’

Comemoração entre Amigos

13 de Janeiro de 2016

Como é bom você poder escolher as pessoas que vão comemorar seu aniversário! Aquelas que estão sempre juntas a você em qualquer situação. Os laços ficam mais fortes e nesses momentos de alegria aproveitamos cada instante para gravarmos na memória. Este é o verdadeira sentido da vida, bons relacionamentos.

larmandier

Chardonnay de pura elegância

Na recepção, não poderia faltar um autêntico Blanc de Blancs, champagne elegante, estimulante, abrindo os trabalhos com muita alegria. Patê de ricota com tomate-seco, salada de folhas com queijo de cabra e molho à base de iogurte, acompanharam perfeitamente as borbulhas de um Larmandier-Bernier, importado pela Cellar (www.cellar-af.com.br).

buçaco branco

Um dos seletos brancos longevos

A entrada tinha que ser contida, pois o prato de resistência era uma moqueca com frutos do mar (peixe, lula e camarões). O duelo de acompanhamento deu-se entre um Sancerre branco (Sauvignon blanc do Loire) e um belo Buçaco branco com as uvas Maria Gomes, Bical e Encruzado. Este exemplar da safra 2005 é ainda uma criança. Seus aromas cítricos e resinosos, além da acidez, são notáveis. Daqui a dez, quinze, vinte anos, esses sabores vão se fundir, surgindo sensações incríveis. Este vinho criado no grande hotel Bussaco (grafia usada para o hotel), fica entre a Bairrada e o Dão, e por conseguinte, as uvas das duas regiões são mescladas. Tem estágio em madeira inerte. É trazido pela Mistral (www.mistral.com.br).

mellot generation

Sancerre excêntrico

moqueca frutos do mar

moqueca “paulista”

Voltando ao Sancerre, Alphonse Mellot molda brancos macios, baseados em longo trabalho sur lies e passagem por madeira. Uma filosofia perigosa onde qualquer exagero pode beirar a vulgaridade. Não é o caso deste exemplar, Cuvée Génération XIX safra 2012.  São vinhas com mais de 80 anos, plantadas em alta densidade (dez mil pés/hectare), em solo pedregoso de origem argilo-calcária. Sua elaboração envolve um trabalho de bâtonnage entre 10 e 12 meses em madeira inerte. Vinho macio, multifacetado em aromas e uma textura bem apropriada para a moqueca. Bom duelo com o Buçaco, mas neste momento, mais de acordo com o prato. Outro exemplar da competente importadora Cellar (www.cellar-af.com.br). Vale também ressaltar que esta moqueca puxa para um estilo mais capixaba com pequenas modificações. Portanto, não vai dendê.

madeira malmsey

A casa mais antiga da Madeira

torta de nozes

O presente de minha amada

Encerrando os trabalhos à mesa, uma torta de nozes recheada com marron-glacê e cobertura de suspiro. Bela cena para a entrada de um Madeira. Neste caso, um Cossart-Gordon Malmsey 5 Years Old da importadora Decanter (www.decanter.com.br). Seus aromas empireumáticos (caramelo), defumados, balsâmicos e de frutas secas, foram de encontro ao prato. Um belo fecho de refeição. Só para lembrar, 5 anos significa que o vinho mais jovem do blend tem esta idade.

h. upmann la casa

Ring 52: fumo complexo

Já fora da mesa, cafés, chás, e destilados, fizeram companhia aos Puros. Bolivar Belicosos (companheiro fiel do doutor Cesar Pigati) e H. Upmann Royal Robustos de fluxo agradável, enevoaram o ambiente. O embate para ambos foi o consistente Bourbon Wild Turkey (whiskey americano) e o estonteante Ron Zacapa Gran Reserva Solera 23. Brilharam sobretudo no terço final. Este tamanho de H. Upmann é levemente maior que um Robusto, porém com uma bitola avantajada, o que permite uma mistura de fumos mais complexa.

ron zacapa 23Sabores e intensidade notáveis

A propósito, este rum guatemalteco merece detalhes sobre sua elaboração. Nesta solera, participam runs com idade entre 6 e 23 anos no blend. Daí, a designação no rótulo. A solera é uma complexa mistura de barricas envolvendo whiskey americano, jerezes secos e Pedro Ximenez. A maturação ocorre a 2300 metros de altitude, completando este belíssimo terroir.

Vinhos do Buçaco

18 de Abril de 2013

Calma! Não é nenhum palavrão. Este é o nome de um dos mais importantes palácios reais de Portugal, transformado em hotel a partir da década de vinte do século passado. Aliás, duas grafias são aceitas, Buçaco ou Bussaco. Nas garrafas de vinho, a primeira. No site do hotel, a segunda (www.almeidahotels.com). 

Tecnica e historicamente, estes vinhos podem ser comparados ao mítico Barca Velha, em prestígio e nobreza, embora de regiões distintas. Localizado praticamente na divisa entre Dão e Bairrada, o palácio (foto abaixo) utiliza uvas das duas regiões. Possivelmente, não teve a repercussão comercial do Barca Velha, já que os vinhos eram e são consumidos exclusivamente por hóspedes do hotel, fazendo questão de não vendê-los fora de seus domínios. Segundo a importadora Mistral (www.mistral.com.br),  a mesma é a única no mundo que conseguiu a proeza de sua comercialização.

Localizado entre Dão e Bairrada

A história dos vinhos começou com senhor Alexandre de Almeida, homem refinado no ramo da hotelaria, fundador de vários hotéis em Portugal. Na época, concebeu a ideia de elaborar os vinhos nas dependências do palácio, utilizando castas locais da região. Era uma forma de cultivar as tradições locais, mantendo a exclusividade e tipicidade dos vinhos. Dentro deste contexto, brancos e tintos eram elaborados com castas da Bairrada e Dão, regiões que circundavam a área do palácio numa vasta floresta homônima. Para os brancos, predominavam as uvas Encruzado, Bical e Maria Gomes e para os tintos, Baga e Touriga Nacional. A vinificação é tradicional, com boa extração de cor e taninos, além de utilização de grandes tonéis de madeira, nunca nova. Os vinhos após o engarrafamento, são guardados na adega do palácio para um posterior consumo. É necessário este período em ambiente de redução (envelhecimento na garrafa), para que suas reais qualidades sejam apreciadas. Ideia semelhante, percebemos no grande Barca Velha também. No hotel, há safras a partir da década de quarenta. Atualmente, são produzidas cerca de trinta mil garrafas por safra, entre tintos e brancos.

Safra 2001: Um verdadeiro infanticídio

Esta safra consumida há pouco tempo (safra 2001 na foto acima) nos dá uma ideia da longevidade destes vinhos. A cor de rubi intenso e muito vivo, nem de longe mostra sua idade. Os taninos estão bem presentes, emoldurados por toques balsâmicos advindos da madeira. Equilibrado, persistente e muito elegante. Longa vida pela frente.

Michael Broadbent (Decanter) em algumas safras antigas, compara estes vinhos ao Château Lafite. Talvez ele tenha razão, os vinhos são misteriosos e muito elegantes.

Os brancos também seguem o mesmo padrão de longevidade. A fruta com características tropicais e citrinas está sempre envolvida em toques resinosos e minerais. Para quem gosta de brancos de personalidade, é ótima companhia para um belo bacalhau.


%d bloggers like this: