Posts Tagged ‘alto maipo’

Don Melchor 2012

12 de Agosto de 2016

Quando falamos em terroir para Cabernet Sauvignon logo pensamos na margem esquerda de Bordeaux, terra sagrada para os grandes tintos da região. Contudo, há outros locais famosos para esta uva de maturação tardia que necessita de solos pobres, pedregosos, e de excelente drenagem.

Lugares como Napa Valley, Bolgheri (Toscana), Coonawarra (Austrália) e Alto Maipo em Chile, costumam expressar grandes Cabernets, cada qual com suas características específicas, marcando de fato um terroir único.

No caso chileno, muito próximo de Santiago, ao pé da cordilheira dos Andes, cabernets famosos como Casa Real, Almaviva, Domus Aurea, e um dos pioneiros nos anos 80, Cousiño Macul Antiguas Reservas, entre outros, marcaram o Alto Maipo como um dos grandes terroirs do mundo. Em particular, falaremos neste artigo do ícone maior do grupo Concha Y Toro, o famoso Don Melchor. Com a primeira safra lançada em 1987, este tinto vem evoluindo ano após ano, aprimorando sua expressão neste terroir e ao mesmo tempo, se atualizando ao homem contemporâneo, num trabalho brilhante e de muita dedicação do competente enólogo Enrique Tirado.

Para termos uma noção exata do vinhedo, fazendo um paralelo com as sub-regiões de Bordeaux, Puente Alto (local do vinhedo Don Melchor) seria uma espécie de Pauillac dentro do Alto Maipo, e este  por sua vez, uma espécie de Haut-Médoc. As características do solo local são mostradas no vídeo abaixo.

Don_Melchor_Puente_Alto_Vineyard_Parcel_Map

Don_Melchor_Puente_Alto_Vineyard_Parcel_Map

parcelas 4, 5 e 6 em destaque

Na busca pela excelência, o quadro acima mostra sete parcelas distintas do vinhedo Don Melchor com pouco mais de cem hectares. Cada um delas, relacionadas sobretudo a pequenas diferenças de solo e temperatura, fornece uvas distintas quanto ao estilo. Algumas com frutas mais intensas, outras com mais taninos, outras com mais corpo, e assim por diante. Seguindo o modelo clássico bordalês, as parcelas são colhidas e vinificadas separadamente. Após à estabilização dos vinhos, chega o momento de conceber o famoso blend, nascendo assim um novo Don Melchor.

Cabernet Sauvignon: solo pedregoso e excelente drenagem

Safra 2012

Este foi um ano com temperaturas mais altas, acima da média, proporcionando uma colheita mais precoce. Graças ao efeito da amplitude térmica devido à grande proximidade da cordilheira dos Andes, a acidez e o frescor foram preservados. Portanto, espera-se um vinho com taninos perfeitamente maduros, bem equilibrado e sedutor, mesmo em tenra idade.

É difícil precisar uma data ideal para consumo desta safra. De fato, atualmente nesta fase de juventude, encontra-se extremamente prazeroso para o consumo. Entretanto, deve evoluir bem nos próximos dez anos, adquirindo os toques terciários de couro, tabaco, acentuando a mineralidade. É sobretudo uma questão de gosto pessoal.

don melchor 2012

decanta-lo por meia hora: aromas abertos

A colheita deu-se entre 10 de abril e 9 de maio com rendimentos muito baixos de 2,9 toneladas/hectare. O blend foi composto por 93% Cabernet Sauvignon e 7% Cabernet Franc. O vinho amadureceu por 15 meses em barricas francesas, sendo 71% novas.

Em anos onde a porcentagem de Cabernet Franc é mais destacada como em 2012, o vinho ganha em elegância e suavidade, quebrando um pouco a habitual austeridade da majoritária Cabernet Sauvignon. Neste ano de colheita mais precoce, a maturação da Cabernet Franc acaba sendo perfeita, pois seu ciclo é mais curto em relação à Cabernet Sauvignon.

A renovação do vinhedo vem sendo feita com o plantio de pequenas parcelas de Merlot e Petit Verdot, além das tradicionais Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc. As vinhas mais antigas plantadas entre 1979 e 1992 foram adensadas com 4000 pés/hectare. Para o vinhedo novo, entre 2004 e 2013, o adensamento dobra chegando a 8000 pés/hectare. Esta mudança acirra a competição entre as vinhas, aprofundando raízes.

O vinho tem importação exclusiva pela própria Concha Y Toro, sendo distribuído nas lojas Ville du Vin, tanto em Alphaville, como no Itaim Bibi em São Paulo. Maiores informações: http://www.villeduvin.com.br

Terrunyo: Terroir, Identidade, Tipicidade

31 de Julho de 2016

Do ponto de vista técnico aliado a um preço justo, a linha Terrunyo do grupo chileno Concha Y Toro é um dos projetos mais interessantes para quem busca vinhos com alma e identidade. No vasto portfólio da vinícola, esta linha tem a designação ultra premium ou Fine Wine Collection, ficando abaixo somente de ícones como Don Melchor, Carmin de Peumo e Gravas del Maipo.

Como o próprio nome diz, Terrunyo busca a essência de um vinho visando conjugar de maneira harmônica: solo, clima, cepa e homem. Embora a linha conte com cinco vinhos varietais, os mais conhecidos são: Sauvignon Blanc, Carmenère, e Cabernet Sauvignon. Em cada um deles, um terroir específico, baseado no novo conceito chileno, conforme esquema abaixo:

terroir chileno

terroir: três zonas distintas

No mapa acima, percebemos zonas distintas, conforme a influência do oceano pacífico e das cordilheiras da costa e dos andes. As zonas mais frias em azul, mostra os vinhedos sob influência direta do pacífico com ventos e águas muito geladas. As zonas em verde, são chamada entre cordilheiras, onde a cordilheira da costa, mais baixa, impede a influência direta do pacífico nos vinhedos, criando uma zona mais temperada. Por fim, as zonas dos andes em laranja, com influência direta da cordilheira homônima, onde a amplitude térmica (diferença de temperaturas entre dia e noite) é muito destacada. O esquema abaixo, ajuda a entendermos melhor estas situações.

terroir chile

esquema dinâmico com as latitudes

O quadro acima é dinâmico conforme nos deslocamos de norte a sul no terroir chileno. Em determinadas latitudes, a influência da cordilheira da costa é mais presente, rechaçando o ar frio vindo de oeste do pacífico. Em outras latitudes, esta proteção da cordilheira da costa é menos eficiente e portanto, o ar do pacifico encontra mais penetração continental. Já os vinhedos nas encostas da cordilheira dos andes, um paredão de quatro mil metros, absorve o ar frio à noite que desce pelas montanhas, contrastando com os dias ensolarados durante o período de maturação da uvas. É a chamada amplitude térmica.

terrunyo sauvignon blanc

Terrunyo Sauvignon Blanc

Já no rótulo, percebemos as especificações do produto. A menção Costa indica um sub-região de vale frio, no caso, Casablanca. Em seguida, a localização do vinhedo, Cuartel 5 – Los Boldos. O solo é composto de argila escura e logo abaixo rocha decomposta em granito. A influência climática do pacífico é decisiva para o amadurecimento lento das uvas. A colheita é toda setorizada sendo feita em três etapas distintas.

A vinificação procura além da tipicidade, todo o frescor das uvas, sem qualquer interferência da madeira. Elaborado em aço inox com posterior contato sur lies (sobre as leveduras). O vinho mostra-se elegante e de muita personalidade com notas cítricas, herbáceas e minerais. Em boca, apresenta bom volume de incrível frescor. A maciez complementa o conjunto, onde novamente nas sensações finais o frescor aparece num final limpo e estimulante. Destaca-se também a mineralidade com um sutil toque de salinidade. O equilíbrio entre álcool e acidez é notável.

terrunyo cabernet sauvignon

Terrunyo Cabernet Sauvignon

Menção no rótulo: Andes. Vinhedo: Pirque (Cuartel Las Terrazas) e uma pequena parcela em Puente Alto, ambos no alto vale do Maipo. Solo aluvial rochoso de excelente drenagem. Clima influenciado pela cordilheira dos andes com grande amplitude térmica. Zona excelente para Cabernet Sauvignon. Colheita entre final de abril e começo de maio para perfeita maturação das uvas.

Vinificação com longa maceração e amadurecimento por catorze meses em barricas francesas. Tinto de cor intensa, aromas de frutas negras, notas minerais, de ervas, e toques tostados. Encorpado, taninos firmes, equilibrando bem o álcool. Bom potencial de guarda.

terrunyo carmenere

Terrunyo Carmenère

Menção no rótulo: Entre Cordilleras. Vinhedo Peumo, cuartel 27, localizado no vale Cachapoal. Aqui o solo é argilo-limoso, retendo uma certa umidade. O clima ameno prolonga ao máximo a maturação tardia da Carmenère, sendo as uvas colhidas no mês de maio. Há uma pequena porcentagem de Cabernet Sauvignon no corte, fornecendo mais estrutura ao conjunto. A vinificação cuidadosa é complementada por um amadurecimento de doze meses em barricas francesas.

Tinto de cor profunda com reflexos violáceos. Os aromas transmitem grande frescor lembrando cerejas negras, toques florais, chocolate escuro, e sobretudo de especiarias como a pimenta negra. Em boca, mostra-se encorpado, equilibrado e com grande frescor. Persistente, taninos presentes e notas minerais.

Trata-se de um dos grandes Carmenères do Chile, principalmente por dois fatores. Primeiramente, pela vinhas serem plantadas em terroir adequado para um perfeito amadurecimento dos frutos. Em segundo lugar, a atenção em colher as uvas no momento certo, conferindo taninos de grande qualidade.

Os vinhos são distribuídos no Brasil pela própria Concha Y Toro com especial canal de vendas nas lojas Ville du Vin, tanto em Alphaville, como na loja do Itaim, São Paulo. Para maiores informações: http://www.villeduvin.com.br


%d bloggers like this: