Posts Tagged ‘abs-sp’

Tintos de Portugal

29 de Julho de 2013

Nesta quarta-feira (24/07/13) com muito frio, tivemos uma interessante degustação didática na ABS-SP sobre as principais regiões vinícolas de Portugal. Os vinhos, todos tintos, representaram bem as características locais, conforme mapa abaixo:

Mapa atualizado das regiões

Só para esclarecer, a região Lisboa refere-se à antiga Estremadura, Ribatejo agora é simplesmente Tejo, e Península de Setúbal substitui a antiga Terras do Sado. Vamos aos vinhos:

Campolargo é um produtor excêntrico da Bairrada, misturando modernidade com tradição. Neste rótulo de nome bem apropriado, o vinho nasce de videiras antigas plantadas todas misturadas com diferentes cepas (Baga, Castelão, Trincadeira, Sousão, Bastardo, Alfrocheiro e Tinta Pinheira). A vinificação também é conjunta com posterior amadurecimento por doze meses em barricas usadas. A acidez da Bairrada está bem presente, embora seus 15,5° de álcool incomodem um pouco. Outra característica é a agressividade de seus taninos que precisam de longo tempo em garrafa. Enfim, boa tipicidade, crescendo muito à mesa na companhia de carnes estufadas, ou melhor dizendo, carnes ensopadas.

Conceito é uma vinícola recente do Douro Superior mesclando também modernidade com tradição. Neste exemplar com as duas Tourigas (Nacional e Franca), a novidade é o amadurecimento em aço inox por dezoito meses após a vinificação. É bem verdade que as características locais ficam mais evidentes com notas florais, frutas escuras vibrantes e um toque mineral (terroso). Contudo, nada como a barrica de carvalho para domar a boa tanicidade deste tinto. Vinho interessante, muito bem equilibrado, e de longo envelhecimento. O preço é outro atrativo, pouco mais de cinquenta reais.

Este é um moderno exemplar do Dão com a típica uva local Touriga Nacional. Fermentado em aço inox e amadurecido em barricas novas francesas por dezoito meses. Vinho ainda um pouco fechado, bela estrutura tânica, com bons anos de envelhecimento em adega. O frescor dos tintos do Dão geram sempre vinhos muito bem equilibrados. A grande dúvida deste exemplar é até que ponto  esta carga de madeira não compromete o vinho. Aposto com alguma dúvida que haverá uma integração harmônica com o mesmo no seu envelhecimento em garrafa. Os típicos aromas florais da Touriga ainda estão tímidos frente aos aromas amadeirados (baunilha, especiarias e chocolate amargo). Gostaria de revê-lo daqui há dez anos.

Este alentejano é diferenciado por dois motivos: Terroir de Portalegre (Serra de São Mamede) e elaboração do competente Paulo Laureano (intimamente ligado ao espetacular Mouchão). Apesar de ser um dos mais simples do portfólio, este Colheita prima por sua elegância e equilíbrio. As uvas são Trincadeira, Argonês e Alicante Bouschet. O terroir de Portalegre diferencia-se das demais sub-regiões alentejanas por ser um vinhedo de altitude, preservando altos níveis de acidez, fator este, sempre em carência nos macios e quentes vinhos da região. Este exemplar encontra-se num ótimo momento para consumo com aromas terciários de couro, toques balsâmicos e um leve mentol. Beber com prazer.

Talvez o vinho mais polêmico da noite quanto à sua estrutura e poder de evolução. Este é um vinho moderno da região do Tejo com as uvas Touriga Nacional e Cabernet Sauvignon. Passa cerca de doze meses em barricas francesas. Pessoalmente, achei um vinho um pouco carente de estrutura e com taninos não muito agradáveis, um pouco ásperos. A Cabernet tem presença tímida no corte. Tenho sérias dúvidas quanto ao seu futuro. É uma aposta arriscada.

Concurso Paulista de Sommeliers: ABS-SP

2 de Julho de 2012

Gerard Basset: atual campeão mundial

Nos dias 20 e 21 deste mês (julho/2012), a ABS-SP (Associação Brasileira de Sommeliers) realizará o tradicional concurso paulista de sommeliers. Maiores informações no site da associação (www.abs-sp.com.br).

http://youtu.be/RHFmFKGpYKI

Clique no vídeo acima e observe pontos importantes para decantar um vinho maduro. Para aqueles que pretendem participar do concurso, é sempre bom estabelecer regras e prioridades para esta cena clássica sempre simulada neste tipo de evento e tão tradicional da sommellerie. Em artigos anteriores deste blog, já comentamos a real utilidade do cesto de vinho (sommellerie: wine basket), os principais motivos que nos levam a decantar um vinho (noções básicas de sommellerie), dentre outros procedimentos importantes neste métier.

O concurso engloba inicialmente uma prova teórica eliminatória envolvendo questões diversas sobre vinicultura, viticultura, enogastronomia, serviço do vinho, entre os temas mais importantes. Os classificados para a prova prática no dia seguinte, independente do campeão, teoricamente entram com boas chances no concurso brasileiro a ser realizado neste segundo semestre.

Aos candidatos, boa sorte a todos!

Château Gruaud Larose

29 de Agosto de 2011

Cada uma das comunas do Médoc, a chamada margem esquerda de Bordeaux, elege ao longo do tempo, seus mais destacatos Grands Crus Classés. Em Saint-Julien,  os Châteaux Ducru-Beaucaillou, Léoville-Las-Cases e Gruaud Larose, formam o trio de ferro dos melhores deuxièmes desta comuna. A consistência destes vinhos mostra de forma enfática a regularidade de Saint-Julien apesar de na média, não serem tão brilhantes como Pauillac.

Gran Vin e seu Segundo Vinho

São 82 hectares de vinhas plantadas em terreno pedregoso (graves) com densidade de dez mil pés por hectare. A idade média é de 45 anos com evidente predomínio de Cabernet Sauvignon (57%), seguido por Merlot (30%), Cabernet Franc (8%), Petit Verdot (3%) e Malbec (2%). O vinho amadurece por cerca de dezoito  meses em barricas de carvalho, sendo 5O% novas. O segundo vinho, Sarget de Gruaud Larose, é elaborado desde 1979. A composição do vinho e o tempo de barrica apresentam pequenas variações de safra para safra.

Comuna de Saint-Julien vizinha à Pauillac

Na degustação da ABS-SP em 24 de agosto de 2011, ficaram reforçadas minhas impressões sobre Gruaud Larose. Embora seja um Bordeaux elegante, típico e bem equilibrado, exceto em safras muito especiais como 61, 82 e 90, por exemplo, onde é grandioso, eu o coloco numa categoria abaixo dos dois grandes vinhos de Saint-Julien, já citados no trio de ferro acima.

As safras degustadas na ABS de 2006, 2005 e 2004, estão num patamar abaixo da grande dupla de Saint-Julien (Ducru-Beaucaillou e Léoville Las Cases). Mesmo a safra de 2005, claramente superior às demais, não apresenta a profundidade dos grandes de Bordeaux. Que fique bem claro; é um vinho muito bem feito, equilibrado e elegante, mas num rigor bordalês, estamos falando de vinhos quase perfeitos. E este, não é o caso.

As impressões de Robert Parker ficam refletidas em suas notas, abaixo de 90 pontos para as três safras. Ele pode ser questionado  em quaisquer outros vinhos e regiões, mas para Bordeaux, não há ninguém tão imparcial e justo como Parker.  

Destaque: Uva Mencía

15 de Agosto de 2010

 

Destaque na degustação da ABS-SP

A uva espanhola Mencía é cultivada no extremo oeste da província de León, divisa com a Galícia, sob as denominações Valdeorras, Ribeira Sacra e principalmente Bierzo. Esta última, criada em 1989, foi revitalizada na década de 90, numa situação muito parecida com a denominação Priorato. Por sinal, o grande Alvaro Palacios, aproveitando a experiência das antigas vinhas de Garnacha e Cariñena abandonadas na região, vislumbrou em Bierzo um grande potencial, num cenário semelhante.

Em resumo, temos um lugar montanhoso de clima continental, com alguma influência atlântica. O solo tem base argilosa, com algum calcário e presença de pedras, principalmente a típica Pizarra, espécie de argila laminar (trata-se de uma rocha metamórfica). A mineralidade desses vinhos costuma ser atribuída a este tipo peculiar de solo. As cepas, muitas delas antigas, têm média de idade acima de 60 anos, sendo algumas centenárias, e até pré-filoxeras.

Cepas antigas na denominação Ribeira Sacra

Os vinhos costumam ter boa presença de fruta, especiarias, ervas, notas minerais e madeira discreta. Gustativamente, são macios, acidez correta e tanicidade moderada. A princípio, não são vinhos de longa guarda. Devem ser consumidos até oito a dez anos de safra, salvo algumas exceções de vinhedos muito antigos, cuja  concentração e extrato justifiquem maior longevidade.

Dos rótulos degustados na ABS-SP, destacaram-se Valtuille Cepas Centenárias (importadora Grand Cru – www.grandcru.com.br), Dominio de Tares Bembibre e Dominio de Tares Cepas Viejas, ambos da importadora D´Olivino (www.dolivino.com.br) . Aliás, este último com o rótulo em destaque acima, tem nariz de margem esquerda. Boa surpresa para colocar às cegas, numa degustação de Bordeaux de bom nível.


%d bloggers like this: