Archive for Março, 2019

Triunvirato em Vosne-Romanée

30 de Março de 2019

Quando falamos dos grandes vinhos da Borgonha, nomes como Montrachet, Chambertin, Musigny ou Vosne-Romanée soam como a sinfonia perfeita. Indo um pouco mais a fundo, dentro da comuna de Vosne-Romanée existem muitos astros, mas nada se compara à Santíssima Trindade formada por DRC, Leroy e Henri Jayer. Foram exatamente esses vinhos que nos fizeram sonhar num belo jantar no restaurante Gero.

 

Oenothèque: agora P2 ou P3

Alguma coisa fora do Triunvirato acima, só mesmo um Dom Perignon Oenothèque da maravilhosa safra 1996 para abrir os trabalhos. O degorgement foi feito em 2008, portanto, 12 anos sur lies. Champagne de grande frescor, mineralidade, leveza, parecendo um Blanc de Blancs, embora em sua composição entre pelo menos 40% de Pinot Noir. Acompanhou muito bem um delicado carpaccio de atum.

img_5885garrafa muito bem conservada

Passando aos brancos, começamos com um “intruso” muito bem-vindo, Domaine Etienne Sauzet Chevalier-Montrachet 1992. Safra de destaque para esta apelação, o vinho mostrou-se integro, sem sinais de decadência. Pelo contrário, aromas já evoluído, mas com frescor e muita elegância. Um toque de caramelo e de botrytis permeavam seus aromas.

img_5876embate de gigantes

Encarar um Montrachet DRC é tarefa para poucos, mesmo se tratando de outros Montrachets. Entretanto, estamos falando de Domaine d´Auvenay, uma reserva particular de Madame Leroy do que ela tem de melhor. A produção desses vinhos quando muito, chega a poucas centenas de garrafas. No caso deste Chevalier-Montrachet 2009, é um vinho com grande concentração de aromas e enorme presença em boca. Deixou o DRC até um pouco tímido, tratando-se de um vinho também de certa potência. Sua persistência aromática é bastante longa e expansiva. Para completar o mérito deste Chevalier, a garrafa do Montrachet DRC estava muito boa com uns aromas de umami, lembrando shitake fresco, toques minerais delicados e um fundo de mel. Bela comparação, mostrando a grandeza e a força do terroir nestas apelações tão exclusivas.

 

pratos do menu exclusivo

O carpaccio de atum com Dom Perignon e a sopa de lentilhas e bacalhau com o Montrachet foram harmonizações bem agradáveis. O champagne com seu frescor e mineralidade formou um belo par com os sabores de maresia e o toque cítrico do molho do carpaccio. Já a sopa de lentilhas com o bacalhau tinha intensidade e textura para acompanhar os Montrachets, sobretudo o DRC, calibrando bem a harmonia de sabores.

img_5867

A fidalguia do maître Ismael sempre nos confortando, e o serviço de vinhos eficiente do sommelier Felipe Ferragone, preservando todas as rolhas, faz do restaurante Gero um porto seguro.

 

acredite, é um Richebourg DRC

Os tintos começaram em alto nível com um Richebourg DRC 1961. O estado do rótulo, foto acima, é inversamente proporcional ao nível do vinho. Uma garrafa muito bem conservada e íntegra. O vinho tanto na cor, como na força de seus taninos não revelava a idade de quase 60 anos. Seus aromas terciários e de grande mineralidade revelavam sous-bois, toques terrosos, e frutas escuras. Equilíbrio perfeito em boca com longa persistência final. Acompanhou bem o risoto de ervas com guisado de cordeiro.

img_5881um dos vinhos mais raros e disputados

Com 94 pontos, este Richebourg do mestre Henri Jayer esbanjou elegância num estilo oposto ao DRC acima. Muito delicado, com aromas florais, especiarias, e um fundo mineral, o estilo Jayer prima pelas nuances e sutilezas. Um vinho para meditar num equilíbrio perfeito em boca. Já totalmente pronto, num belo platô de evolução. O mítico Richebourg 1978 é um dos tintos mais disputados em leiloes mundo afora. O próprio Henri Jayer declarou certa vez que o Richebourg 78 foi seu grande vinho de todas suas vinificações.

img_5880quase 200 pontos na mesa

Ponto alto do jantar, dois Cros-Parantoux de grandes safras. Para um Premier Cru, o vinho é de uma elegância que poucos Grands Crus possuem. O 93 é a safra mais bem pontuada, ainda com uma força extraordinária. O vinho não está totalmente pronto com taninos muito finos, mas ainda a resolver. Os toques terrosos e as especiarias são muito bem mesclados à fruta. Já o 85, é puro devaneio. Um tinto gracioso, cheio de feminilidade, boca sedosa, e um final harmonioso. Uma grande safra nas maões de um grande Mestre. Salve Henri Jayer!

img_5886o infanticídio da noite

No final do jantar, avaliamos duas promessas da safra 2004 para os DRCs. Um Romanée-St-Vivant delicado, floral, taninos suaves, já bem agradável pela idade. Por outro lado, um La Tache austero, com taninos ainda ferozes, precisando ser domado pelo tempo. Um estilo bem masculino que deve evoluir bem pelos próximos dez anos.

Enfim, uma noite memorável com belos vinhos e a boa conversa pra lá de animada. Agradecimento a todos os confrades pela generosidade e companhia. Um adendo especial ao nosso Presidente pela alta competência na análise dos vinhos, acertando às cegas de maneira categórica todos as ampolas do jantar. Sem nenhuma arrogância, ele nunca acha, sempre tem certeza, provando mais uma vez, que degustação técnica é treino e atenção aos detalhes. Contra fatos, não há argumentos. Parabéns Presidente!

Saúde a todos e que Bacco sempre nos proteja!

DIAM: Revolução nas Rolhas

22 de Março de 2019

Se você encontrar um rolha que parece ser de aglomerado, preste atenção, pode ser uma rolha com a marca DIAM de alta tecnologia francesa. Esta empresa vende 1,8 bilhões de rolhas por ano, sendo 79% para vinhos tranquilos, 17% para espumantes e champagnes, e 4% para destilados. Movimenta 145 milhões de euros por ano.

Reparem os vinhos abaixo, Montrachet de produtores famosos, utilizando as rolhas DIAM. O principal motivo é a garantia da isenção do chamado Bouchonné, advindo do TCA, presente em pequena porcentagem nas rolhas de cortiça maciças. Isso posto, vamos entender todo o processo de fabricação.

reparem a marca DIAM na segunda foto

vinhos de elite confiando na marca

Tudo começa com a coleta da cortiça em regiões do sul da Espanha, Portugal, e também na França nas regiões da Provence, Languedoc-Roussillon e Córsega. A maior parte vem da Espanha, pois a área de sobreiros na França é sensivelmente menor.

Chegada a cortiça nas fábricas, tanto na Espanha, como na França, elas são tratadas e secadas antes da moagem das placas. Aí está o pulo do gato, destrói-se a cortiça, para reconstruí-la pelo processo Diamant, descrito no vídeo abaixo.

Na reconstrução da rolha, a cortiça moída é agregada com microesferas de origem vegetal e ligadas com cera de abelhas. Como podemos notar, são todos produtos naturais com respeito à natureza, de produção renovável  e sustentabilidade. Essas esferas de origem vegetal juntamente com a cortiça, vão permitir a perfeita elasticidade e permeabilidade das rolhas. O elemento de ligação é justamente a cera do mel das abelhas.

Relembrando o pulo do gato, a cortiça moída é colocada em grandes tubos altos e recebe de baixo para cima CO2 sob condições precisas de temperatura e pressão. A passagem deste gás através da cortiça moída permite retirar por vapor aromas indesejáveis, inclusive o inconveniente TCA e suas famílias. Esse é o ponto fundamental de todo o processo.

Voltando às fotos acima, reparem que ao lado da marca DIAM temos o número 30 em uma, e em outra as iniciais GG (Grand Cru). Tanto uma como a outra, refere-se às melhores rolhas por este processo, podendo garantir perfeita vedação por 30 anos. Elas são elaboradas com precisas dosagens das microesferas para garantir permeabilidade e elasticidade por longos anos em adega.

DIAM bouchonsdestilados, vinhos, e espumantes

Para vinhos mais simples temos as rolhas DIAM 1, DIAM 3, DIAM 5, DIAM 10 e DIAM 30. Resumindo, de acordo com a longevidade dos vinhos temos níveis de elasticidade e permeabilidade compatíveis com a necessidade e de acordo com preços mais justos com cada tipo de rolha. Os números correspondem a um, três, cinco, dez, e trinta anos, de armazenagem em garrafa, respectivamente.

Clientes de peso como Chateau Carbonnieux (Bordeaux), Chateau Angelus (Bordeaux), Billecart-Salmon (champagne), Louis Jadot (bourgogne), Comtes Lafon (bourgogne), Paolo Bisol (prosecco), Bodegas Rural (argentina), Grupo Peñaflor (argentina), aderiram ao sistema Diamant com depoimentos consistentes e de grande aprovação. Maiores informações: http://www.diam-bouchon-liege.com

Por outro lado, a Empresa Amorim portuguesa, a maior produtora de rolhas do mundo, em defesa de rolha de cortiça maciça, na busca incessante pela eliminação do TCA, o terrível bouchonné, vem desenvolvendo métodos cada vez mais eficientes. A última novidade trata-se da tecnologia chamada NDtech. Essa tecnologia é uma parceria entre a Amorim e uma empresa inglesa especializada em análise de cromatografia rápida. A rolha pode ser analisada em poucos segundos, sendo descartada automaticamente se apresentar níveis de TCA acima de 0,5 ng/l (ng é um nanograma, ou seja, um bilionésimo de grama). Para se ter uma ideia desta medida, é como se jogássemos uma gota de TCA em 800 piscinas olímpicas. Portanto, esse sistema da Amorim para suas melhores rolhas destinadas a vinhos especiais, garantem total proteção ao TCA. No caso do sistema Diamant, o rigor é ainda maior, com medidas inferiores a 0,3 ng/l. Maiores informações, http://www.amorim.com 

Em resumo, as maiores empresas que lidam com cortiça, e consequentemente rolhas, se mexem exaustivamente na eliminação total do TCA em seus produtos. As soluções vão surgindo e o consumidor e produtores de vinhos só tendem a ganhar, preservando os autênticos sabores do vinho, sem inesperadas frustações. 

 

Sommellerie: O Podium 2019 é da Juventude

20 de Março de 2019

Neste último mundial realizado na Bélgica pela ASI (Association de la Sommellerie Internacionale), os dezenove finalistas são extremamente jovens com raras exceções. Para a grande final, foram escolhidos os três melhores com  dois deles, abaixo de trinta anos. O sommelier campeão de 2019, o alemão Marc Almert de 27 anos, repetiu o feito de Enrico Bernardo. Um jovem sommelier que pela primeira vez participando de um mundial, levou a taça sem contestações. Isso vem provar que só a experiência não basta, é preciso conhecimento e atualização neste mundo extremamente dinâmico.

ASI sommelier 2019site: http://www.starwinelist.com

Os outros dois concorrentes, a dinamarquesa Nina Hojgaard Jensen e o letão Raimonds Tomsons, competiram de igual para igual. Muitos acharam que Nina pudesse ser perfeitamente a campeã mundial, a primeira mulher  nesta competição. Marc Almert, ao centro da foto.

Para não alongarmos a história, vamos detalhar os passos do campeão. A grande final começa com o serviço de um suposto Sauternes para um casal de amigos e uma cerveja belga para um  outro amigo em comum. O jovem campeão tira a cerveja com extrema técnica, preservando a mousse na hora do serviço em copo adequado, fato esperado para um autêntico alemão. O serviço do Sauternes tem um inconveniente, no qual o único vinho doce encontrado no balde de gelo é o famoso Late Harvest Vin de Constantia, África do Sul, normalmente vedado com cera. A regra manda que o vinho seja aberto sem a retirada da cera, o que facilita o serviço. A mulher do casal, prefere o serviço com um pouco de gelo, onde o sommelier executa sem contestação.

ASI semifinalistas 2019os dezenove semifinalistas

Na foto acima, David Biraud, o segundo da segunda linha, sommelier francês de larga experiência, ficou fora da grande final. Outro destaque, foram dois japoneses entre os semifinalistas. Martin Bruno da Argentina, foi o único representante sul-americano nas semifinais. 

Continuando a saga, o sommelier Marc Almert é chamado para uma degustação às cegas de um vinho tinto. O vinho é um australiano Henschke, um dos mais afamados do país dos cangurus com parreiras pré-filoxera. Este exemplar trata-se do Mount Edelstone, um 100% Shiraz de parreiras com mais de 85 anos de vida. O vinho é confundido com um grande Bordeaux de  margem direita, citando o Chateau Canon-Gaffelière safra 1997, provando mais uma vez que degustação às cegas não é fácil.

Continuando o trajeto, Marc é solicitado para decantar um Vega-Sicilia Reserva Especial para oito pessoas. Ele explica que normalmente os Reservas Especiais são fruto de uma mistura de três safras altamente cotadas. O serviço é feito com cesto à luz de vela, como manda o ritual no tempo solicitado. O Vega-Sicilia decantado é um lançamento de 2016 onde foram mescladas as safras 96, 98 e 2002. O primeiro lançamento na história do Reserva Especial deu-se no ano de 1965, uma das perguntas de um dos componentes na mesa.

rheingau pinot noir beerenauslese

um raro Pinot Noir doce

Na sequência, uma bateria com quatro vinhos às cegas. Um Mouchão, tinto alentejano, um Malvasia da Croácia, um Chateau Chalon (Jura), e um raro Pinot Noir alemão doce do produtor Assmannshauser, vinhedo Holleberg, Spatburgunder categoria Beerensauslese do Rheingau, safra 1989. O da foto acima não é da degustação por ser safra 1977. Mesmo o melhor do mundo, não acertou nenhum, provando mais uma vez que degustação às cegas é um ato de humildade. Na sua avaliação, o Mouchão passou por um belo Rioja Reserva, Chaton Chalon passou por Jerez, fato unanime entre os três finalistas, Malvasia passou por um Riesling austríaco do Wachau, e finalmente, o Pinot Noir doce passou por um Madeira Boal, mesma opinião de Nina Jensen. Já Raimonds Tomsons optou por um Tokaji 6 Puttonyos.

Continuando a trilha, é proposta uma harmonização com um menu de quatro pratos, a seguir:

  • Carpaccio of lighty seared Norwegian scallops with mango, avocado e coriander
  • Médallion of monkfish in a mushroom and chicken broth with périgord truffle and pata negra crisp
  • Beef cheeks braised in red wine with a celeriac and truffle purée
  • Belgian chocolate and walnult soufflé with roquefort sorbet

Marc Almert propõe os seguintes vinhos:

  • um branco alemão da casta Sylvaner bem fresco com a entrada
  • um Chateau Haut-Brion branco 2008 com o Tamboril
  • um Chardonnay americano de Carneros pela imposição de um dos componentes da mesa em tomar vinho branco com beef cheeks
  • um Porto Quinta de la Rosa LBV para a sobremesa de chocolate

As indicações foram boas, não fugindo muito dos clássicos. O Sylvaner alemão é bastante revigorante para a entrada de vieiras, proporcionando sabores delicados do prato, frente a discreta aromaticidade do vinho. O Haut-Brion branco tem estrutura para o Tamboril, peixe de carne firme e rico em sabores. Os cogumelos e as trufas casam bem com um certo envelhecimento do vinho, sendo a safra sugerida 2008. O Chardonnay americano de Carneros com passagem por barrica, tem estrutura para o prato de bochechas com pure de trufas. A escolha de um vinho branco foi imposição de um dos convivas da mesa. Por fim, uma escolha segura pelo Porto LBV, combinando tanto com o chocolate, como com o sorvete de queijo gorgonzola (similaridade com o Stilton inglês). 

Seguindo as tarefas, é proposto dois quadros com oito uvas, as quais têm correspondência com 24 vinhos de grande fama mundial. Portanto, um quadro com varietais brancas (Sauvignon Blanc, Chardonnay, Riesling, Aligotè), e outro com varietais tintas (Sangiovese, Merlot, Pinot Noir, Syrah). Alguns dos 24 vinhos famosos foram: Soldera Pegasus (Sangiovese), Chacra 55 (Pinot Noir), Isole e Olena Cepparello (Sangiovese), Chave Cuvée Cathelin (Syrah), A&P de Villaine Bouzeron (Aligoté), entre outros. 

Por fim, a sétima tarefa na tensa competição foi degustar às cegas dez tipos de bebidas das mais variadas origens, tipos e estilos. Achei um pouco exagerado o número de bebidas. Poderia ser perfeitamente seis bebidas, no máximo. Enfim, o campeão não se deu muito bem nesta última prova, confessando ao final que foi o teste mais complicado para ele. Das dez bebidas, ele respondeu apenas sete, acertando apenas duas. Chegou a confundir nossa cachaça com vodka polonesa. Neste teste em particular, o letão Raimonds Tomsons saiu-se melhor.

marc almert bellavista rose magnumASI – Association de la Sommellerie Internacionale

Antes da divulgação das colocações, os três finalistas serviram um Magnum de espumante Bellavista Franciacorta Rosé em dezesseis taças (foto acima), tomando o cuidado de servir a mesma quantidade por taça, sem sobrar espumante na garrafa. O campeão fez o serviço com eficiência e em menos tempo.

Passar por todos esses percalços numa prova de sete etapas diante de uma plateia lotada, vários campeões mundiais à mesa, num cenário de restaurante, e com tempo contado sem muita margem de folga, exige nervos de aço dos sommeliers. Neste sentido, o alemão levou vantagem, mantendo a frieza alemã na medida do possível. Além disso, por ser sua primeira vez num mundial, o mérito fica ainda maior. Agora com este título e uma carreira inteira pela frente, o caminho fica mais fácil para o estrelato. Parabéns Marc Almert!

 

Latour e algumas preciosidades

17 de Março de 2019

Quando um Latour está sobre a mesa, os demais vinhos o reverenciam, independente de seus pedigrees. Entre champagnes, Domaine Leflaive, e outros margens esquerdas de prestígio, ele reinou absoluto. Antes de falarmos dele, algumas borbulhas, e brancos da Borgonha, deram início a um belo almoço no Ristorantino, Jardins.

estilos de champagne

Neste primeiro embate, grandes surpresas. Sempre tive em mente um estilo delicado e elegante para a cuvée de luxo Dom Pérignon, mas não pensei que fosse tanto. No confronto acima, Dom Pérignon conseguiu ser mais delicado que o Blanc de Blancs Robert Moncuit, um Grand Cru de Le Mesnil sur Oger, terroir de prestígio da Côte de Blancs, mesmas terras do Champagne Salon. Embora fosse 100% Chardonnay, o champagne Robert Moncuit tinha uma estrutura invejável com uma bela acidez. Seu estilo mais gastronômico pede pratos como ostras gratinadas, por exemplo. Encarou com galhardia o todo poderoso champagne da Maison Moët & Chandon.

frutos do mar num caldo com fregolas 

Dando sequência, uma dupla de brancos da Côte de Beaune, dois Premiers Crus. Um de Meursault, do vinhedo Genevrières do Hospices de Beaune 2001, e o grande Puligny-Montrachet Les Pucelles 2002 de Madame Leflaive, seu melhor Premier Cru. Aqui a disputa foi meio desigual. Primeiro pela questão de safras, agravado pela garrafa de Meursault fora de sua melhor forma, ou seja, um vinho um pouco cansado. O Les Pucelles em ótima forma, deu um banho de equilíbrio e elegância numa safra de grande destaque. Embora um Meursault com problemas, ficou notória a diferença de texturas entre os vinhos com o Puligny-Montrachet mais leve e elegante. O prato acima de frutos do mar deu eco aos sabores dos vinhos.

img_5823embate de gigantes

Nesta altura, o ponto marcante do almoço, dois belos Premiers Grands Crus Classés da mítica safra 1959. Latour neste ano foi um dos destaques com 96 pontos, um vinho quase perfeito. É impressionante seu vigor, sem nenhum sinal de decadência. Pelo contrário, esbanja juventude com taninos finíssimos. Bela expansão de boca com aromas multifacetados. Uma garrafa perfeita, assim como o Chateau Margaux a seu lado. Este, talvez tenha sido a melhor garrafa de Margaux 59 que já provei. O vinho estava divino com aromas plenamente desenvolvido, além de perfeitamente macio e envolvente no palato. Mesmo assim, não foi páreo para o Senhor do Médoc, sua majestade Latour.

alguns dos pratos do Ristorantino

Na foto acima, massa com ragu de pato e costela assada com lentilhas, acompanharam bem a força e elegância dos vinhos. Taninos mais polimerizados e aromas terciários pedem pratos com este tipo de perfil. Agradecimentos especiais a toda brigada do Ristorantino pelo serviço dos vinhos e atenção aos detalhes e taças.

img_58221982 na berlinda

Começando pelo Beychevelle 82, talvez a maior safra de toda a história do Chateau, é um vinho encantador, com a complexidade esperada de um Bordeaux envelhecido, sobretudo se tomado sozinho. Entretanto, deu um azar danado de estar ao lado deste gigante, inclusive na garrafa, uma double magnum magnífica, perfeitamente conservada do grande Latour. Pode ser considerado o vinho mais perfeito entre os grandes de 82. Uma cor inacreditavelmente jovem, taninos polidos, o fino aroma de pelica dos grandes Latour, e uma boca perfeita em equilíbrio e expansão. Embora ainda com muita vida pela frente, me pareceu mais acessível que o grande 59 comentado a pouco.

l´Enclos: a essência de Latour

A genialidade do terroir

Os vinhas em torno do Chateau, a construção principal propriamente dita, somam algo com 47 hectares denominado l´Enclos, foto acima. Um terroir único com quinze metros de profundidade de pedras, argila e areia, proporcionando uma drenagem excelente no terreno, e ao mesmo tempo, retendo um mínimo de reserva hídrica para os anos mais secos. Neste sentido, é o melhor solo do mundo para o cultivo da Cabernet Sauvignon que no caso do vinhedo l´Enclos, perfaz cerca de 80% da área. A alta porcentagem de pedras (50 a 80%) está entremeada entre areia e argila, formando as chamadas “croupes graveleuses”, leves ondulações no terreno, semelhante a campos de golfe. Esta maravilha esculpida ao longo de dois milhões de anos, tem pedras originárias dos Pirineus (divisa com a Espanha) e do maciço central ( terras francesas onde se cultiva o melhor carvalho do mundo), devido a cataclismos de outras eras geológicas.

Para alguns especialistas em solos de viticultura, l´Enclos é o melhor terroir de todo o Médoc, considerando  que o fator drenagem do terreno é o mais relevante na escolha dos melhores terrenos de margem esquerda. Lembrando o velho ditado médocain: “o solo do Médoc muda a cada passo”.

 e aquele Yquem para finalizar …

Embora 1946 não tenha sido uma grande safra em Sauternes, Yquem é sempre soberano. Sem aquela untuosidade dada pelos anos onde a Botrytis é mais intensa, é um Yquem elegante com perfeito equilíbrio entre acidez e açúcar. Uma garrafa muito bem conservada acompanhando uma seleção de queijos e sobremesas diversas. Doçuras e contrastes  em perfeita harmonia.

Enfim, mais um encontro memorável com amigos generosos, partilhando experiências e laços de amizade em torno do vinho e da boa mesa. Abraços a todos e que Bacco continue com suas bênçãos!

Liger-Belair: Renasce uma Estrela

9 de Março de 2019

Neste novo milênio, iniciando o século XXI, renasce uma estrela na mais mítica das comunas da Côte de Nuits, Vosne-Romanée, com os vinhos do Domaine Liger-Belair. A começar pelo La Romanée, vinhedo com menos da metade da área do astro maior Romanée-Conti, convivendo lado a lado no centro gravitacional de Vosne-Romanée.

liger belair vinhedosvinhedos Liger-Belair em torno de La Romanée

Além do La Romanée, o Domaine possui vários outros vinhedos muito bem localizados na nobre vizinhança com vinhas  de idade avançadas, superando 60 anos de idade. A destacar, Clos du Chateau, um monopole, e Aux Reignots com produções ínfimas de 2100 garrafas por safra. Os outros vinhedos, muitos deles, com menos de mil garrafas por safra.

Voltando ao La Romanée, sua primeira safra data de 1827 quando o Domaine tinha muitas propriedades na região e gozava de grande prestígio. Nesta época, o vinhedo La Tache original, de área bem menor que o atual, era tido como o grande vinho de Vosne-Romanée. Com a chegada do século XX e a primeira guerra mundial, a família Liger-Belair estava em dificuldades financeiras, desfazendo-se de vários vinhedos, inclusive o mítico La Tache, o qual em 1933 passa às mãos do Domaine de La Romanée-Conti, ampliando sua área com os vinhedos Les Gaudichots vizinhos, e oficializando a apelação de origem La Tache, de acordo com as novas leis francesas.

Daí em diante, os vinhos da família Liger-Belair eram vinificados e entregues a negociantes da região, fato comum à época, inclusive a Maison Leroy. Evidentemente, a qualidade e a regularidade  foram abaladas, de acordo com critérios adotados pelo negociantes na educação e engarrafamento dos vinhos. Em 1976, numa união matrimonial, as famílias Liger-Belair e Bouchard Père & Fils seguem juntas na elaboração do vinho La Romanée, imprimindo no rótulo o nome do negociante famoso Bouchard Père & Fils até o ano 2001, sua última safra exclusiva.

É nesta data que surge a nova estrela do Domaine com a presença marcante de Louis-Michel Liger-Belair, sétima geração da família. Com novos métodos de cultivo e vinificação, Louis-Michel imprime uma filosofia menos intervencionista e uma extração mais delicada na vinificação. Seus vinhos ganham finesse e elegância, marcando um novo estilo no Domaine. 

Esta transição com Bouchard Père & Fils acontece entre 2002 e 2005, onde os dois rótulos e vinificações diferentes ocorrem lado a lado. É notório a diferença de estilos entre os dois 2005, último ano de ambos, onde percebemos claramente o fator humano na concepção do terroir. O Bouchard 2005 é um La Romanée mais extraído, mais potente, de acordo com a velha escola. Já o Liger-Belair 2005 é um La Romanée bem mais delicado, elegante e cheio de sutilezas.

A partir de 2006, segue a linha do novo Liger-Belair com vinhos sempre elegantes, delicados, galgando posições importantes na crítica especializada com notas altíssimas. As safras La Romanée 2009 e 2010 alcançam cifras impressionantes com valores em torno de seis mil dólares por garrafa.

Foi neste contexto que provamos algumas garrafas de La Romanée no restaurante Nino Cucina, iniciando com um branco à altura do evento, o majestoso Montrachet 2014 do Domaine des Comtes Lafon, um dos melhores exemplares desta safra com 98 pontos. O vinho é uma maravilha com textura rica, acidez refrescante, equilíbrio cirúrgico entre os componentes, e longa persistência aromática. Nada melhor para aguçar as papilas.

acompanhando carpaccio de atum

O carpaccio de atum com azeite de trufas estava divino, combinando perfeitamente com a textura e elegância do vinho. Um combinação de pureza de sabores e mineralidade de rara felicidade.

2001: safra que marca o final de uma era

Começando os La Romanée com uma safra histórica, 2001. Safra esta que marca o final da rotulagem exclusiva Bouchard Père & Fils, mostrando uma extração vigorosa, com engaço, bem ao estilo old school. A cor e concentração do vinho impressionam com seus dezoito anos de vida. Bem mais intensa que os três exemplares Liger-Belair que vamos comentar a seguir de safras mais recentes. O vinho tem aromas terrosos, sous-bois, cogumelos e notas de frutas em licor. A combinação com o ravioli de vitela com molho de funghi e parmesão (foto acima) ficou divina, equiparando bem a intensidade e similaridade de sabores,  bem como a  força de ambos.

img_5771vinhos que refletem as safras

Finalmente, as estrelas do almoço, três safras sucessivas de La Romanée Liger-Belair. Estamos falando de um monopole de 0,8452 ha de vinhas, cujas as idades variam entre 22 e 102 anos, sendo boa parte com média de 60 anos. São produzidas apenas 3600 garrafas por safra, aproximadamente metade do seu rival Romanée-Conti. O vinhedo fica imediatamente acima, fazendo divisa com o Romanée-Conti.

Das safras acima, 2011 mostra-se um pouco menos concentrada, lembrando que a comparação é sempre cruel. Tomado individualmente, La Romanée 2011 é um tinto elegante, com uma pureza de frutas extraordinária, toques de especiarias e alcaçuz. Um vinho delicado, muito equilibrado e de final com muitas sutilezas.

Já a briga entre os La Romanée 2009 e 2010 foi de titãs. Os dois com uma força, um extrato, e uma riqueza impressionantes, sem jamais serem pesados. O que marca realmente a diferença são os estilos de safras. No ano 2009, temos um vinho um pouco mais cheio, maior maciez, e muita sedução nos aromas e texturas. Embora com longa vida pela frente, é mais prazeroso no momento que seu rival 2010.

O ano 2010 marca uma acidez mais presente, a qual provavelmente dará grande longevidade aos vinhos. Eles possuem um frescor próprio, na medida certa. Além disso, frutas muito bem delineadas, toques florais,  e taninos muito bem polidos. Numa degustação mais à frente, digamos daqui a dez anos, o 2010 pode estar mais interessante com uma estrutura mais desenvolvida. De todo modo, um belo fecho de prova, marcando definitivamente a volta da família Liger-Belair como uma das estrelas da Borgonha.

Outros pratos marcantes

Agradecimentos aos companheiros de mesa e copo, sempre muito gentis, divertidos e generosos em mais esta jornada. Mais alguns pratos (foto acima) muito bem executados como o carpaccio de robalo, extremamente delicado, e as costeletas de cordeiro empanadas com batatas gratinadas, um prato reconfortante, finalizando muito bem este grande almoço. Menção especial ao maître Ivan do Nino Cucina, sempre atencioso nos detalhes.

Acabadas as desculpas de Carnaval, o ano começa pra valer e as degustações prometem grandes momentos em 2019. Que Bacco sempre nos proteja e no guarde!

Entre Chambertins e Musignys

3 de Março de 2019

Num agradável almoço pré-carnaval, algumas taças da fina flor da Borgonha desfilaram entre pratos do restaurante Bela Sintra. Produtores e vinhedos consagrados mostraram o lado mágico que os tintos da Borgonha são capazes de proporcionar.

polvo, lulas, e pasteizinhos para acompanhar …

Para iniciar os trabalhos, um Premier Cru de Meursault do ótimo produtor Comtes Lafon, foto acima. Meursault-Charmes 2010 com 95 pontos, mostra o lado mais delicado de Lafon, comparado ao vigoroso Perrières-Meursault. Finamente trabalhado na barrica, seus aromas de patisserie já encantam nas primeiras impressões olfativas. Muito equilibrado em boca, mostra um leveza singular, embora não fuja do terroir de Meursault, sempre com uma textura mais vigorosa. Alguns da mesa o acharam levemente oxidado. Particularmente o achei delicioso, a despeito de não guarda-lo por muito tempo em adega. De todo modo, um belo abre-alas do almoço.

img_5760joias da Madame Leroy

Na comissão de frente, este primeiro trio acima, mostrou indubitavelmente o alto nível dos vinhos Leroy. Nenhum deles são de Domaine. O do centro, é o único Grand Cru, Mazis-Chambertin, elaborado pelo Hospices de Beaune e devidamente educado nas adegas Leroy. Os dois que o ladeiam são lieux-dits com nível de Premier Cru, vizinhos de parede com o reputado Clos St-Jacques, conforme mapa abaixo. O vinhedo Grand Cru Mazis-Chambertin está localizado na parte baixa à esquerda do mapa, delimitado por linhas vermelhas e pretas. A distância de Mazis-Chambertin a Clos St-Jacques não chega a mil metros.

clos st jacques lavaut estournellesmosaico bourguignon

Lavaut-St-Jacques, um vinhedo de 9,53 hectares, com destacada proporção de calcário no solo, prima pela delicadeza e elegância. Mostrou isso na taça, com lindos terciários de sous-bois, taninos polimerizados, e o mais pronto deste trio.

Mazis-Chambertin, o preferido da maioria, tem uma acidez pronunciada, fator que lhe confere longevidade. A despeito do belo equilíbrio e finesse, já tomei garrafas melhores deste mesmo vinho. A safra 85, ponto comum deste flight, é histórica na Borgonha.

Finalmente, Estournelles St-Jacques, um vinhedo de apenas 2.04 hectares, tem um solo com presença de Ostrea Acuminata, fosseis marinhos também presentes no vinhedo Clos St-Jacques. Foi o vinho que mais impressionou pela cor e densidade. Com taninos presentes, mostrou-se o menos evoluído do painel com um caráter mais masculino.

Taças Zalto e Arroz de pato

Na foto acima com taças Zalto, percebemos pela cor que a amostra número três, à direita da foto, é a de maior concentração de cor. O arroz de pato, um dos pratos emblemáticos da Casa, acompanhou bem o Estournelles St-Jacques, pelo vigor do vinho.

img_5762todos com nível de Grand Cru

Neste flight temos dois Premier Cru classicamente com nível de Grand Cru. Historicamente são vinhedos de grande reputação, os quais talvez numa nova classificação, fossem nomeados como Grand Cru. O Les Amoureses, sobretudo de Mugnier, é o mais delicado dos Borgonhas, caminhando numa linha tênue entre a elegância e a mediocridade. Explicando melhor, é um vinho muito delicado, onde só mesmo a força de seu terroir permite um diferencial de distinção e elegância. Qualquer outra tentativa na Borgonha, pareceria um vinho diluído e sem atrativos. Um vinho extremamente preciso em sua elaboração. A discussão acadêmica em torno de seu envelhecimento, sempre provoca a eterna dúvida: toma-lo jovem, aproveitando sua graciosidade de frutas e flores, ou envelhece-lo com os inevitáveis toques terciários?

Partindo agora para o grande Musigny, este um autêntico Grand Cru, é um vinhedo  colado ao Les Amoureses, num setor mais alto e de solo menos pedregoso. Este exemplar 2012 tem notas variando entre 95 e 98 pontos. Completamente diferente do Les Amoureses, o vinho tem densidade sedosa, sem perder a elegância. Numa comparação com o Médoc, seria o Chateau Margaux da Borgonha. Um vinho de extrema elegância e profundidade, onde os aromas de violeta, frutas escuras, e um toque carnoso, se completam perfeitamente. Gostaria de prova-lo lado a lado com um La Tache de mesma safra, outro vinho de predicados semelhantes.

clos st jacques

Rosseau: a maior parcela

No último vinho do flight, o vinhedo Clos St-Jacques, foto acima, é dividido em cinco parcelas, cuja a maior porção pertence a Armand Rousseau com 2,2 hectares. No exemplar acima da safra 2015, é um vinho de grande concentração com um poder de fruta extraordinário. Ainda muito jovem, tem aromas basicamente primários com taninos de fina textura. Uma grande promessa para as próximas décadas. Seu apogeu está prevista para 2050. Por hora, perder para o Musigny, num embate de gigantes.

Enfim, uma prova exemplar de grandes produtores das comunas de Chambolle-Musigny e Gevrey-Chambertin em seus mais afamados terroirs. Além disso, a constatação que o nome Leroy,  seja como Négociant, seja como Domaine, transita com competência e regularidade por todos os atalhos do intrincado mosaico bourguignon. 

Agradecimentos eternos a nosso Presidente pela imensa generosidade e competência nas escolhas das mais sofisticadas ampolas. Saúde a todos, e que Bacco nos proteja!


%d bloggers like this: