Nova Zelândia: Parte III


Embora a ilha Sul tenha surgido posteriormente à ilha Norte em termos vitivinícola, Marlborough teve enorme importância em promover a região e com isso fazer da Sauvignon Blanc, a uva emblemática deste país, além de tornar a ilha Sul mais produtiva que sua irmã ao norte. Apesar de tudo, o desafio não foi fácil. Amadurecer uvas num dos locais mais frios e meridionais do mundo pode retardar o amadurecimento das mesmas em até sete semanas com relação à ilha Norte. Novamente, temos o mapa abaixo.

Marlborough: a mais badalada região da ilha Sul

Apesar do nome, Nelson não é minha região preferida na ilha Sul. Embora esteja praticamente na mesma latitude de Marlborough, não tem a mesma proteção com relação aos gélidos ventos vindos  de oeste. Com isso, o amadurecimento das uvas costuma ser dramático. Contudo, há bons exemplares de Sauvignon Blanc, alguns Rieslings, Pinot Noir e principalmente Chardonnay, facilitada pela maturação precoce.

Pulando por enquanto Marlborough, a região central da ilha Sul, Canterburry, é geralmente muito fria para a maioria das cepas. Neste sentido, Chardonnay e Pinot Noir costumam destacarem-se. Riesling e Sauvignon Blanc também têm seus espaços.

Passando agora para Central Otago, a região mais meridional da ilha Sul, a perfeita proteção a oeste da cadeia de montanhas dos Alpes do Sul fazem da região um dos melhores terroir para o cultivo da Pinot Noir. Embora o clima seja frio, os vinhos costumam ter profundidade e elegância. A vinícola Rippon, comentada em posts anteriores e também em artigo especial neste mesmo blog (procurar por Rippon Pinot Noir) é a grande referência. Dentre as brancas, a Riesling é bastante promissora, além de Chardonnay e Pinot Gris. Os vinhos são elegantes e aromáticos.

Rippon vineyard: uma das mais belas paisagens vitícolas

Finalmente, Marlborough, a grande estrela da ilha Sul. É o mais novo terroir clássico do chamado Novo Mundo. Apesar de uma área plana em solo de gravilha, sua drenagem é excelente. A exposição solar é uma das maiores e mais eficientes do mundo. Some-se a isso, a proteção eficiente da cadeia de montanhas dos Alpes do Sul, e você terá um terroir perfeito para o amadurecimento da Sauvignon Blanc. Favor verificar em artigos anteriores pelo título: Terroir Sauvignon Blanc. Com a expansão brutal da região na última década, a dica para não decepcionar-se é procurar por vinícolas conceituadas com vinhedos próximos ao rio Wairau (no idioma maori quer dizer “muitas águas”. Pronuncia-se Why-roo), buscando um terroir mais original. Alguns nomes como Cloudy Bay, Jackson Estate, Whiter Hills e Isabel Estate, são portos seguros. Além da Sauvignon Blanc, Chardonnay, Pinot Noir e Riesling, também são cultivadas. A maioria dos exemplares apresentam vinhos equilibrados, mas sem grandes atrativos.

Com este artigo encerramos as principais regiões deste belo país, voltando oportunamente a comentar produtores e vinhos específicos. A referência de vinhos neozelandeses no Brasil continua sendo a importadora Premium Wines de Belo Horizonte, dos proprietários Rodrigo Fonseca e Orlando Rodrigues (www.premiumwines.com.br).

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: