Vinho do Porto: Parte I


Os vinhos fortificados, elaborados em vários países, apresentam nítida superioridade na península ibérica. O trio de ferro imbatível, Jerez, Porto e Madeira, não tem rivais à altura, sem falar no Moscatel de Setúbal, Carcavelos (quase extinto), Pedro Ximenez de Montilla-Moriles, e tantos outros. Especialmente, o Vinho do Porto, destaca-se dos demais em termos de projeção internacional e empatia no mercado globalizado. Oxalá, Jerezes e Madeiras, um dia voltem a ter a projeção que bem merecem!

Dando início ao vasto mundo do Vinho do Porto, é bom esclarecer que Porto é a cidade homônima onde obrigatoriamente, o vinho era amadurecido até 1986. A partir desta data, o vinho continua amadurecendo em Vila Nova de Gaia (município dentro da região metropolitana do Porto), mas pode também, amadurecer na região do Douro, local onde as uvas são cultivadas e vinificadas.

O início da região escura (Douro) dista 80 km do Porto

A região do Douro inicia-se com a aproximação da serra do Marão, aproximadamente 80 km a montante da cidade do Porto. Nesta primeira parte, temos a região do Baixo Corgo (Corgo é um afluente do Douro neste ponto). Em seguida, a nobre região do Cima Corgo, onde estão as principais Casas de Vinho do Porto. No último terço, temos a cálida região do chamado Douro Superior, em constante desenvolvimento. O mapa abaixo, ilustra a explanação.

As três sub-regiões do Douro

À medida que vamos caminhando de oeste para leste, a precipitação pluviométrica vai diminuindo, enquanto as temperaturas extremas e a amplitude térmica, vão aumentando. Portanto, a maioria das uvas do Baixo Corgo, são utilizadas para vinhos do Porto mais corriqueiros e de maior volume. Já as uvas cultivadas no Cima Corgo, são uvas bem mais equilibradas e portanto, utilizadas nos Portos de maior categoria, sobretudo os chamados Vintages. Por fim, o Douro Superior, esquecido até um passado recente, vem ganhando força e está ainda por ser desbravado. Como a região é bastante quente, as uvas dão origem a vinhos potentes. É muito importante nesta área, calibrar a altitude do vinhedo para preservar melhores níveis de acidez nas uvas. Atualmente, tem uma parcela significativa nos melhores Portos, dependendo do cultivo em zonas estratégicas desta sub-região.

O Douro foi oficialmente, a primeira região demarcada do mundo em 1756 pelo então marquês de Pombal. Sem entrar em pormenores históricos, o vinho da região em épocas mais remotas não era fortificado. Para atender o mercado inglês, que em certos períodos manteve relações cortadas com a França, o vinho do Porto tornou-se uma alternativa economicamente viável para este aquecido mercado. Como a viagem era longa, acrescentava-se um pouco de aguardente para manter o vinho em boas condições de consumo. Evidentemente, esta fortificação era aleatória e despadronizada. Contudo, ao longo do tempo, este estilo de vinho foi ganhando força até que no fim do século XIX, a fortificação estava amplamente aceita e com padrões muito próximos dos Vinhos do Porto da atualidade.

Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: