Archive for Abril, 2011

Panorama da Vitivinicultura Brasileira

28 de Abril de 2011

O Brasil ainda é um país incipiente no mundo do vinho, quaisquer que sejam os números, parâmetros e índices. Não conseguimos fugir muito do consumo anual de dois litros per capita. Embora nosso progresso nos últimos anos seja inegável, o vinho brasileiro é proporcionalmente caro frente aos importados, notadamente, nossos vizinhos (Chile e Argentina).

No panorama atual, a situação tende a se agravar, já que o dólar encontra-se num consistente e gradual processo de queda. Para piorar, os impostos do vinho nacional tão reclamado por nossos produtores, como tudo no Brasil, tendem a aumentar.

Dados recentes fornecidos peal Uvibra (União Brasileira de Vitivinicultura) mostram números que muita gente não faz idéia:

Produção de uvas no Brasil em toneladas (dados de 2010)

Rio Grande do Sul ………………………………….. 692.692

São Paulo ……………………………………………. 177.538

Pernambuco ………………………………………… 168.225

Paraná ……………………………………………….  101.900

Bahia ………………………………………………….   78.283

Santa Catarina ……………………………………..    66.214

Minas Gerais ………………………………………….  10.590

Brasil ========================     1.295.442

Neste total estão inclusas uvas viníferas e não viníferas, bem como, uvas destinadas à produção de vinhos, consumo in natura, suco de uva e derivados.

Deste mesmo total, 737.554 toneladas (57%) são destinadas ao consumo in natura, ou seja, uvas de mesa. Veja que o vinho no país da cerveja, já começa ficar em segundo plano.

Agora vamos falar de vinhos finos no Brasil. Fino na legislação brasileira, quer dizer que o vinho é elaborado com uvas viníferas, e não que ele seja elegante e de grande categoria. Pode até ser, mas não é essa a idéia.

Como o estado do Rio Grande do Sul responde por cerca de 90% da produção de vinhos e suco do uva do Brasil, segue abaixo um panorama da situação gaúcha em 2010 (produção em litros):

Vinhos de mesa …………………………………….. 195.267.979

Vinho fino ……………………………………………… 24.805.713

Suco de uva ………………………………………….  143.080.684

Portanto, ainda somos o país do suco de uva e do vinho de garrafão, ou seja, de uvas não viníferas.

A briga entre o vinho fino brasileiro e os importados continua bastante desigual em termos de consumo interno. Veja os dados de 2010 em litros:

Chile ……………………………………………………… 26.441.596

Argentina ……………………………………………….  16.965.446

Itália ……………………………………………………..  11.922.944

Portugal …………………………………………………… 8.001.006

França …………………………………………………….. 2.801.073

Espanha …………………………………………………… 1.622.322

Uruguai ……………………………………………………. 1.248.667

Outros países ……………………………………………. 2.006.783

Total de importados =================== 71.009.837

Os vinhos finos brasileiros participam com 20% do mercado, perfazendo um total de 18.288.055 litros. Somente Chile e Argentina respondem por cerca de 60% do nosso mercado de consumo.

Os números acima não levam em conta champagnes e espumantes. Neste cenário, o vinho nacional consegue inverter a situação com 75% do mercado em 2010 (em litros):

Espumantes brasileiros ………………………………. 12.573.114

Importados ……………………………………………….. 4.314.253

Esses números mostram a consolidação do espumante nacional em nosso mercado, com consistência de qualidade e preços relativamente competitivos. Além de nosso terroir ser propício a este tipo de vinho, nossas cantinas estão muito bem equipadas para elaboração de espumantes, sobretudo pelos métodos Charmat e do tipo Asti espumante com a uva Moscatel.

Se na cantina (vinificação) não devemos nada aos principais países vinícolas, no campo (viticultura) há um longo caminho a percorrer. Trocar o manejo do vinhedo de latada para espaldeira, visando um rendimento menor por hectare, menos chances de doenças e um amadurecimento da uvas mais eficiente, é um dos grandes desafios do setor. É uma mudança lenta, necessária e que ainda demorará algumas gerações.

 

Vinho do Porto: Parte VI

25 de Abril de 2011

Neste último post abordaremos alguns tipos de Porto ainda não mencionados e aspectos enogastronômicos.

O esquema abaixo procura mostrar a atual nomenclatura referente aos diversos tipos de Porto, a qual já foi ainda mais complicada:

Principais tipos de Porto

Porto Branco

Evidentemente são elaborados a partir de castas locais brancas mencionadas em Parte II. Esse tipo de Porto pode apresentar diferentes graus de doçura, desde o Extra-seco, Seco, Meio-seco, Doce, e Muito doce. Este último termo apresenta mais de 130 gramas de açúcar residual por litro, conhecido também como Porto Lágrima. Acompanha muito bem os famosos doces portugueses.

Outro aspecto destes Portos é o estilo mais frutado ou mais amadeirado. De acordo com o tipo de amadurecimento, o vinho pode ser preservado da oxidação e ter uma cor mais clara e aromas mais frutados.  Para um amadurecimento mais intenso com a madeira, o grau de oxidação aumenta, gerando vinhos com maior intensidade de cor e aromas com ênfase nas frutas secas, lembrando de certo modo um Jerez. Dependendo do grau de doçura, esses vinhos acompanham muito bem doces com sabores amendoados.

Porto Crusted

Um termo em desuso, além de ser difícil encontrá-lo no mercado. Trata-se de um Porto com características de Vintage. Concentrado, escuro e apto a criar sedimentos (borrras) ao longo do tempo em garrafa. Contudo, é um vinho loteado, onde safras especiais e vinhos de grande concentração são misturados, lembrando o perfil dos Vintages. Deve ser obrigatoriamente decantado. Tem seu nicho de mercado na Inglaterra.

Porto e Serra da Estrela: um feliz casamento

O Vinho do Porto na gastronomia nos reserva grandes surpresas. Já falamos oportunamente em artigos passados, a harmonização de Portos com patês de sabores mais marcantes (pâté de campagne) e até mesmo foie gras.

Carnes de caça com molhos de frutas vermelhas podem ser acompanhadas por Portos no estilo Ruby, inclusive um LBV. Pato com molho de laranja ou Peru a Califórnia são boas escolhas para Portos brancos ou Tawnies, apenas tendo o cuidado de calibrar o teor de açúcar.

Queijos de sabor acentuado, sobretudo os azuis como Stilton, são pedidas clássicas. O famoso queijo Serra da Estrela e similares (ver foto acima) são sempre lembrados.

Doces portugueses, tortas de frutas secas (nozes, damasco), além de sobremesas com chocolate, são casamentos sempre possíveis. Mesmo fora da mesa, como vinho de meditação, é uma excelente pedida. Os charutos, também tratados em artigo passado, não passam incólumes.

Conservação e Temperatura de Serviço

As pessoas sempre se perguntam, quanto tempo dura um Porto depois de aberto e a qual a temperatura de serviço correta?

O Porto depois de aberto, como qualquer outro vinho, sofre os efeitos da oxidação. Como trata-se de um vinho de grande estrutura, rico em álcool e açúcares, sua resistência é naturalmente maior. Dentre os vários tipos de Porto, aqueles de estilo Ruby, sofrerão mais com a oxidação. Já os de estilo Tawny, por naturalmente serem criados em meio oxidativo, serão menos afetados depois de abertos. Aliás, Tawnies de grande permanência em madeira, como os de 30 anos, 40 anos e grandes Colheitas, resistem muito mais depois de abertos. O IVDP (Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto) sugere alguns números:

  • Estilo Ruby …………………………….. 8 a 10 dias
  • Porto LBV ………………………………. 4 a 5 dias
  • Porto Vintage …………………………. 1 a 2 dias (arriscado)
  • Tawny mais simples ………………. 3 a 4 semanas
  • Tawny categorizados ……………… 1 a 4 meses
  • Brancos frutados ……………………. 8 a 10 dias
  • Brancos de estilo oxidativo ……. 15 a 20 dias

A temperatura de serviço de um Porto é mais baixa do que a maioria da pessoas pensam. Por ser um vinho fortificado, devemos sempre que possível, minimizar o álcool e enfatizar a acidez e frescor. Portanto, os Portos Brancos são servidos bem frescos, entre 8 e 10ºC. Já os de estilo Ruby, quanto maior a estrutura tânica, maior a temperatura de serviço. Neste raciocínio, entre 12 e 16ºC. Por último, os de estilo Tawny, com baixa estrutura tânica, entre 10 e 14ºC.

Todas as informações desta série de artigos sobre Vinho do Porto e outras tantas que valem a pena serem consultadas, tiveram como base o IVDP (Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto), cujo site é www.ivdp.pt

Vinho do Porto: Parte V

21 de Abril de 2011

Como vimos em posts anteriores, os Portos se dividem em dois grandes estilos: Ruby e Tawny.  Esses estilos em suas versões mais simples representam grandes volumes na produção total de Porto. São relativamente simples, de bom preço e não devem envelhecer. São os que mais percebemos o álcool por serem fortificados e não possuírem extrato suficiente, com raras exceções. A temperatura mais resfriada (entre 14 e 15ºC) ajuda a minimizar essas imperfeições. É bom sempre ter algumas garrafas para os “cunhados” de plantão.

Tawny e Ruby: nítida diferença de cores

Partindo destes dois grandes grupos, teremos tipos de Porto mais sofisticados, conforme site oficial da região, www.ivdp.pt :

Porto Ruby Reserva

Conhecidos também como Vintage Character (expressão inglesa), originam-se a partir de uma seleção de lotes com bom potencial de fruta e cores vibrantes a cada safra. A safra atual vai sendo adicionada a lotes já em processo de amadurecimento, sempre procurando preservar o lado frutado. Os melhores Reservas são os que possuem mais extrato e concentração de sabores, dependendo da reputação de cada vinícola. Normalmente, as safras que formam os lotes não são muito antigas  (no máximo cinco anos). Uma referência neste estilo é o Graham´s Six Grapes, importado pela Mistral (www.mistral.com.br).

Porto Late Bottled Vintage (LBV)

Tentou-se abreviar a sigla inglesa LBV por SET (safra de engarrafamento tardio), mas não deu muito certo. De todo modo, trata-se de um Porto de uma só colheta que deve ser obrigatoriamente declarada no rótulo. O vinho deve amadurecer entre quatro e seis anos antes do engarrafamento, sempre preservando seu lado frutado. É o chamado Vintage de bom custo/benefício. Não tem a concentração, nem a longevidade de um Vintage, mas lembra suas principais características. O LBV da Quinta do Noval é sempre uma grata surpresa, muito acima da média. Não deve envelhecer muito em adega. Geralmente, convém não guardá-lo mais do que dez anos a partir da safra. Além da safra, é obrigatório também, a data de engarrafamento.

Vintage

Para muitos, a perfeição do Vinho do Porto. É vinho também de uma só colheita, porém esta, excepcional. Deve envelhecer de dois a três anos antes do engarrafamento, geralmente em grandes balseiros, preservando todo seu poder de fruta e potência aromática. Tanto a safra, como a data de engarrafamento, devem ser mencionadas no rótulo. Depois de comprado, esqueça-o na adega. Comece a pensar em abrí-lo depois de seu décimo aniversário de safra. Melhor a partir dos quinze ou vinte anos. Deve ser obrigatoriamente decantado por todos os motivos: grande quantidade de sedimentos (borras espessas) e aeração para desprendimento de aromas mais pesados. Noval, Fonseca, Taylor´s e Graham´s são Casas notáveis.

Está muito em voga, os chamados Vintages de Quinta, mencionados com Single Quinta Vintage pelo IVDP, orgão oficial. Os ótimos Quinta de Vargellas (Taylor´s) e Quinta do Vesúvio (Symington´s) dignificam a categoria. Contudo, o Vintage tradicional, resultado da mistura de várias quintas de um mesmo ano e de uma mesma propriedade, continua sendo considerado superior. Teoricamente, a conjunção de diversos terroirs (quintas) confere nuances e complexidade incomparáveis.

Do lado oxidativo, passemos às categorias de Tawnies especiais:

Porto Tawny Reserva

A mesma idéia do Ruby Reserva, porém de estilo oxidativo. São lotes de várias safras com vinhos de características apropriadas a um contato mais intenso com a madeira. Suas cores são mais claras, tendendo ao granada ou atijolado. Os aromas de frutas secas e toques empireumáticos são sempre citados. O Porto Jockey Club Burmester é um belo exemplo desta categoria.

Belo exemplar da categoria abaixo

Tawny com declaração de idade

A expressão 10, 20, 30 e 40 Years Old é mencionada nesta categoria, teoricamente superior à anterior, já que a média de idade das safras de um Tawny Reserva raramente supera cinco anos. Portanto, esses números declarados significam que a média de idade dos lotes reflete um Vinho do Porto amadurecido em madeira por 10 anos, 20 anos, 30 anos e 40 anos, respectivamente.

É bom que se frise, que não há superioridade entre essas declarações de idade, sugerindo que um 20 anos seja superior a um 10 anos. O que ocorre na verdade, são características diferentes com a evolução do vinho na barrica. Pode até acontecer que um 10 anos tecnicamente seja superior a um 20 anos. O segredo é selecionar lotes homogêneos e de extrato compatíveis com as repectivas declarações de idade. Portanto, não se faz um 20 anos com um 10 anos mais envelhecido. Neste raciocínio, é muito mais difícil encontrar um 40 anos perfeitamente equilibrado, do que um 10 anos normalmente encontrado em nosso mercado.

Sensorialmente, um 10 anos é mais potente e frutado que um 40 anos. Um tempo mais prolongado, com um grau de oxidação muito maior, revela aromas mais etéreos  e com maiores nuances, mas só lotes de características muito distintas conseguem vencer um período tão prolongado em pipas de carvalho. Taylor´s 10 anos, Adriano Ramos Pinto Quinta de Ervamoira 10 anos e Ferreira Duque de Bragança 20 anos, são referências neste estilo de Porto.

Porto Colheita

Esta é a categoria máxima no estilo Tawny, muitas vezes sem o devido reconhecimento de consumidores menos esclarecidos. Como o próprio nome diz, é um Porto de uma só colheita que deverá ser mencionada no rótulo, bem como, a data de engarrafamento, a qual não deve ser inferior a sete anos. Evidentemente, os grandes Colheitas passam muito mais tempo nas pipas e podem ser tão extraordinários como os grandes Vintages. É uma questão de gosto e estilo. Costumam retratar o melhor dos aromas e sabores do estilo oxidativo. A Casa Niepoort oferece uma coleção de Colheitas do mais alto nível. Importado pela Mistral (www.mistral.com.br).

Vinhos citados

Quinta do Noval – importadora Grand Cru (www.grandcru.com.br)

Duque de Bragança – importadora Inovini (Aurora) – (www.aurora.com.br)

Porto Burmester – importadora Adega Alentejana – (www.adegaalentejana.com.br)

Porto Fonseca – importadora Vinci – (www.vinci.com.br )

Porto Taylor ´s – importadora Portus Cale – (www.portuscale.com.br)

Porto Adriano Ramos Pinto – importadora Franco Suissa – (www.francosuissa.com.br)

Vinho do Porto: Parte IV

18 de Abril de 2011

O amadurecimento do Vinho do Porto antes do engarrafamento e comercialização é uma das etapas mais importantes. A imensa maioria de garrafas de Porto nos seus mais variados estilos não tem safra. Portanto, trata-se de um vinho loteado, ou seja, mistura de várias safras.

A permanência do vinho em tanques de aço inox visa preservar ao máximo seu caráter frutado, mantendo em condições ideais, temperaturas adequadas através de uma eficiente refrigeração. Pode ser muito adequado quando o vinho é amadurecido no Douro, fugindo de variações de temperaturas ao longo dos meses.

Os balseiros (tonéis de grande capacidade, em torno de trinta mil litros) sempre foram utilizados com o mesmo intuito do aço inox, mantendo ao máximo os componentes de fruta e cor do vinho, devido à baixa oxidação. De fato, tonéis deste tamanho, geram pouca área de contato do vinho com a madeira, em relação ao volume armazenado. É muito utilizado no armazenamento de vinhos destinados ao tipo Vintage e LBV (falaremos dos vários tipos mais adiante).

 Pipas ao fundo e Balseiro: Volumes contrastantes

As pipas com capacidade em torno de 550 litros, promovem o estilo oxidativo em termos de amadurecimento, já que a relação da área de contato do vinho e seu volume, é bem maior do que no caso dos balseiros, por exemplo (veja foto acima). São muito utilizadas no tipo de vinho chamado Tawny (aloirado em inglês) nas suas várias categorias.

É importante salientar que a madeira utilizada no amadurecimento dos Portos não é nova, visando exclusivamente provocar a chamada micro-oxigenação e não, passar aromas de madeira ao vinho.

A decisão de amadurecer o vinho com caráter redutivo (preservação da fruta) ou oxidativo está sobretudo ligada às características  do lote de vinho em questão, que por sua vez, está ligado ao conceito de terroir (escolha das castas, localização e altitude da vinha, rendimento, densidade de plantio, etc ..).

Vinhas que geram vinhos de boa acidez e discreta quantidade de polifenóis (componentes de cor e taninos)  são mais propícias ao estilo Tawny, de caráter oxidativo. Já vinhas que geram vinhos de boa estrutura tânica e ricos em cor,  são mais adequadas ao estilo Ruby, de caráter frutado. Dentro de cada estilo, os vinhos de maior intensidade e potencial, serão destinados aos tipos mais nobres e prestigiados em suas respectivas categorias (Vintages para o estilo frutado e Colheitas para o estilo oxidativo).

Concluindo, a destinação de um lote de Vinho do Porto recém nascido não é aleatória, nem arbitrária, e sim fruto do respeito às condições de terroir, manifestadas no vinho elaborado, preservando sua tipicidade, e portanto, sua vocação.

Vinho do Porto: Parte III

14 de Abril de 2011

Dando prosseguimento ao Vinho do Porto, passemos agora à sua vinificação e fortificação.

Vinificação e Fortificação

Após a colheita de uvas perfeitamente maduras e com altos teores de açúcares, o mosto inicia a fermentação em tanques com controle de temperatura e equipamentos visando maximizar a extração de cor e taninos num tempo relativamente curto, já que a fortificação (adição de aguardente vínica com 77º de álcool) dá-se em torno de três dias. Portanto, neste estágio o vinho apresenta um discreto teor alcoólico e com a fortificação, o vinho torna-se alcoólico e naturalmente doce (os açúcares que ainda poderiam fermentar, tornam-se açúcares residuais).

A proporção de aguardente vínica adicionada ao mosto depende das características específicas de cada partida de mosto e do produto final que se pretende obter (um vinho mais ou menos doce e/ou um vinho mais ou menos alcoólico). Em linhas gerais, de acordo com uma pipa tradicional de Vinho do Porto (550 litros), teremos 110 litros de aguardente para 440 litros de mosto. Esta foi uma receita empírica e muito tradicional.

O Vinho do Porto deve conter entre 19 e 22º de álcool (exceto o Porto Branco que pode conter 16,5º) e doçura entre 40 e 130 gramas por litro de açúcar residual. Esses limites de doçura podem estar fora da faixa acima, mas na prática é o que normalmente ocorre. Menos de 40 g/l o Porto é considerado Extra-seco (muito comum no chamado Porto Branco) e acima de 130 g/l é considerado muito doce.

Momento da fortificação

Existe ainda a fermentação em lagares com a chamada pisa a pé, mas que representa uma diminuta parcela na produção total de Porto. Evidentemente, para grandes volumes, este método é inviável. Contudo, ainda é praticado em vinícolas artesanais e/ou quando se deseja obter Portos especiais como o Vintage, por exemplo. Alega-se que apesar de ser um processo arcaico e até nostálgico, é o melhor para extrair cores, aromas e principalmente taninos, num curto espaço de tempo. Neste raciocínio, acredita-se que o pé exerça a pressão ideal nas uvas, além de um contato em termos de textura, incomparável com qualquer outro equipamento. De fato, é tema para discussões acadêmicas.

Após a vinificação e fortificação, o vinho amadurecerá em tanques de aço inox, pipas de madeira ou balseiros (tonéis de grandes dimensões), dependendo do lote e da destinação de cada tipo de Porto, assunto para nosso próximo post.

Vinho do Porto: Parte II

11 de Abril de 2011

Após breve apresentação da região em Vinho do Porto: Parte I, abordaremos os principais aspectos de terroir, que torna o vale do Douro único, além de ser uma das mais belas paisagens vinícolas do mundo.

Encostas extremamente acidentadas

Os fatores abaixo ficam potencializados nas regiões do Cima Corgo e Douro Superior.

Clima

Predominantemente continental, o clima oferece invernos rigorosos e verões tórridos, propiciando uvas com muito extrato e concentração de sabores. A amplitude térmica é notável, com diferenças significativas entre as temperaturas mínimas e máximas ao longo dos dias. A chuva concentra-se no inverno e o clima relativamente seco.

Relevo

As encostas são bastante acidentadas, principalmente no Cima Corgo, tornando a mecanização praticamente proibida. Como consequência, a drenagem do terreno e o ângulo de insolação são excelentes.

Solos

Este é um capítulo à parte. É como tirar leite de pedra, ou melhor, vinho de pedra. Só a tenacidade do povo local é capaz de explicar este milagre. O solo tem base granítica com a formação de xisto (rocha de origem metamórfica). O mesmo muitas vezes tem que ser forjado através de macetas, bulldozers (tratores especiais para quebrar rochas) e até dinamite, quebrando literalmente as pedras para que as raízes da videira consigam penetrar. A construção destes tipos solos são chamados de antrossolos, uma mistura de areia, limo e muitas pedras quebradas em tamanhos menores.

Xisto: solo pedregoso

Baseado nestes fatores de terroir, o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, IVDP (www.ivdp.pt), classifica as vinhas do Douro de A a F, em ordem decrescente, ou seja, as melhores vinhas são as de classificação A, geralmente próximas ao rio Douro, em altitudes em torno de 150 metros.

Outros fatores como idade média das vinhas, densidade de plantação e rendimentos por hectare, contribuem em termos de pontuação para a referida classificação. As castas também têm seu valor, como veremos a seguir:

Castas tintas

Touriga Nacional, Touriga Francesa (Touriga Franca), Tinta Roriz (Tempranillo), Tinto Cão, Tinta Amarela (Trincadeira no Alentejo), Tinta Barroca e mais algumas outras precisam fazer parte de pelo menos 60% do encepamento. Outras tintas, ainda menos conhecidas, podem eventualmente, complementar o conjunto de castas.

Castas brancas

Da mesma forma, as uvas Esgana Cão, Gouveio, Malvasia Fina, Rabigato, Viosinho e Folgasão, perfazem pelo menos 60% do encepamento.

Vinho do Porto: Parte I

7 de Abril de 2011

Os vinhos fortificados, elaborados em vários países, apresentam nítida superioridade na península ibérica. O trio de ferro imbatível, Jerez, Porto e Madeira, não tem rivais à altura, sem falar no Moscatel de Setúbal, Carcavelos (quase extinto), Pedro Ximenez de Montilla-Moriles, e tantos outros. Especialmente, o Vinho do Porto, destaca-se dos demais em termos de projeção internacional e empatia no mercado globalizado. Oxalá, Jerezes e Madeiras, um dia voltem a ter a projeção que bem merecem!

Dando início ao vasto mundo do Vinho do Porto, é bom esclarecer que Porto é a cidade homônima onde obrigatoriamente, o vinho era amadurecido até 1986. A partir desta data, o vinho continua amadurecendo em Vila Nova de Gaia (município dentro da região metropolitana do Porto), mas pode também, amadurecer na região do Douro, local onde as uvas são cultivadas e vinificadas.

O início da região escura (Douro) dista 80 km do Porto

A região do Douro inicia-se com a aproximação da serra do Marão, aproximadamente 80 km a montante da cidade do Porto. Nesta primeira parte, temos a região do Baixo Corgo (Corgo é um afluente do Douro neste ponto). Em seguida, a nobre região do Cima Corgo, onde estão as principais Casas de Vinho do Porto. No último terço, temos a cálida região do chamado Douro Superior, em constante desenvolvimento. O mapa abaixo, ilustra a explanação.

As três sub-regiões do Douro

À medida que vamos caminhando de oeste para leste, a precipitação pluviométrica vai diminuindo, enquanto as temperaturas extremas e a amplitude térmica, vão aumentando. Portanto, a maioria das uvas do Baixo Corgo, são utilizadas para vinhos do Porto mais corriqueiros e de maior volume. Já as uvas cultivadas no Cima Corgo, são uvas bem mais equilibradas e portanto, utilizadas nos Portos de maior categoria, sobretudo os chamados Vintages. Por fim, o Douro Superior, esquecido até um passado recente, vem ganhando força e está ainda por ser desbravado. Como a região é bastante quente, as uvas dão origem a vinhos potentes. É muito importante nesta área, calibrar a altitude do vinhedo para preservar melhores níveis de acidez nas uvas. Atualmente, tem uma parcela significativa nos melhores Portos, dependendo do cultivo em zonas estratégicas desta sub-região.

O Douro foi oficialmente, a primeira região demarcada do mundo em 1756 pelo então marquês de Pombal. Sem entrar em pormenores históricos, o vinho da região em épocas mais remotas não era fortificado. Para atender o mercado inglês, que em certos períodos manteve relações cortadas com a França, o vinho do Porto tornou-se uma alternativa economicamente viável para este aquecido mercado. Como a viagem era longa, acrescentava-se um pouco de aguardente para manter o vinho em boas condições de consumo. Evidentemente, esta fortificação era aleatória e despadronizada. Contudo, ao longo do tempo, este estilo de vinho foi ganhando força até que no fim do século XIX, a fortificação estava amplamente aceita e com padrões muito próximos dos Vinhos do Porto da atualidade.

Vinho em destaque: Chateau Palmer

4 de Abril de 2011

Um comentário numa revista de enogastronomia de grande circulação chamou-me a atenção sobre o Chateau Palmer 2002. Segundo a revista, este foi um dos cem melhores vinhos degustados em 2010, tendo ficado na terceira colocação. O comentário sucinto diz o seguinte:

“Um grande francês clarificado com claras de ovos e que não passa por filtração”

Indignado, acho que o Chateau Palmer no mínimo, merece um post para aqueles que só tiveram a oportunidade de conhecê-lo através deste brilhante comentário.

Muita semelhança arquitetônica com  o Chateau Pichon Baron

Chateau Palmer, troisième Grand Cru Classé de Bordeaux (classificação de 1855), é considerado quase como uma unanimidade, o segundo melhor vinho da comuna de Margaux (situada no Médoc, margem esquerda), depois evidentemente do grande Chateau Margaux.

Finesse ou elegância são as palavras de ordem para esta comuna, personificadas no Chateau Palmer. O solo típico dos grandes vinhedos do Médoc originam-se nas croupes (pequenas elevações ou ondulações de terreno pedregoso). O plantio da Cabernet Sauvignon apresenta leve predominância em relação à Merlot, complementadas por pequenas parcelas de Petit Verdot. Na badalada safra 2009 o corte foi de 52% Cabernet Sauvignon, 41% Merlot e 7% Petit Verdot.

A elevada densidade de plantio (10.000 pés por hectare) aliada à idade das vinhas, aprofundam suas raízes,  gerando uvas de grande concentração e muita personalidade.

Os 55 hectares da propriedade são repartidos em 42 parcelas. Cada parcela é vinificada separadamente, gerando vários tanques de fermentação de Cabernet Sauvignon, Merlot e Petit Verdot. Terminada toda a vinificação, chega o grande momento do assemblage. Olhos atentos, narizes afiados e paladares rigorosos entram em ação para conceber o chamado “Grand Vin”. Tudo que foi rejeitado, ficará para a seleção do chamado segundo vinho (assunto já tratado separadamente em artigo passado), no caso, Alter Ego.

Concebido o Grand Vin, é hora de educá-lo, refiná-lo, através do amadurecimento em barricas de carvalho. Aqui, mais uma lição de consciência e humildade, sempre buscando um vinho equilibrado e harmonioso. Portanto, dependendo da safra, a proporção de barricas novas fica entre 50 e 60%, de acordo com o extrato do vinho, mantendo em primeiro lugar sua essência.

Palmer 2002: 94 pontos de Parker

Este é o Chateau Palmer, um Margaux de raça, equilibrado, estruturado, capaz de envelhercer por longos anos nas boas safras. Muito bem avaliado nas principais revistas especializadas.

A colagem, operação que visa dar maior limpidez ao vinho, de fato, é feita com claras do ovos levemento batidas, mas isso não é um privilégio do Palmer. Voltando ao comentário, faltou dar a receita: seis claras por barrica.


%d bloggers like this: