Barca Velha e seu segundo vinho


Costumamos dizer que o tinto Casa Ferreirinha é o segundo vinho do mítico Barca Velha, obra prima do grande “cheirista” Fernando Nicolau de Almeida, logo após a segunda guerra mundial.

Aproveitando o ensejo do post anterior, é bom esclarecer que a conotação de segundo vinho neste caso, é bem diferente da situação bordalesa. O Reserva Ferreirinha dependendo do ano, pode disfarçar-se de um mini Barca Velha, obviamente de custo bem menor.

A longa trajetória do Barca passou por algumas transformações em vinhedos localizados no Douro Superior, notadamente Quinta da Leda e Quinta do Vale Meão. Contudo, sempre um propósito, selecionar lotes de qualidade e acompanhar sua evolução ao longo dos anos, até sua liberação ao mercado. A responsabilidade é tremenda, qualquer que seja a decisão, pois não se pode liberar um Barca Velha que não o é, e nem refutá-lo se realmente o for.

Obstinação de Fernando Nicolau de Almeida

A idéia de concepção do Barca Velha nasceu com o objetivo de elaborar um tinto de classe na região do Douro, onde até então, primava-se pela elaboração dos grandes Portos.

Alguns desafios deveriam ser vencidos, tais como: perfeito equilíbrio da uvas numa região tão quente e seca como o Douro Superior, com Quinta da Leda e Quinta do Vale Meão. Outro grande problema seria controlar a temperatura de fermentação com a tecnologia da época.

O primeiro obstáculo foi resolvido buscando uvas em várias altitudes e diferentes exposições com relação ao sol. Portanto, um leque interessante de opções, principalmente quanto à acidez das uvas. O segundo problema foi uma solução bem lusitana. Trazer caminhões carregados de blocos de gelo de Matosinhos (lugarejo próximo à cidade do Porto) até o Alto Douro, onde ocorria a fermentação. Foram feitos anéis periféricos nos grandes tanques de madeira da época para armazenar os blocos de gelo, controlando assim a temperatura de fermentação.

Após longa maceração, o vinho parte para o estágio em barricas de carvalho e começa um severo monitoramento até o engarrafamento. Passado este estágio, não se pode afirmar ainda que estamos diante de um Barca Velha. É preciso pelo menos alguns anos em garrafa com mais uma série de provas, para o veredito.

 

Safra 1997: quase 10 anos para uma tomada de decisão

Desta concepção rígida, beirando a perfeição, é que pode surgir o Casa Ferreirinha, ou seja, quando não se tem absoluta certeza do pedigree de um Barca, tem a possibilidade de surgir um Ferreirinha. Portanto, numa mesma safra, só existe um com a exclusão do outro. Este conceito dá credibilidade ao Barca Velha e ao mesmo tempo, valoriza sobremaneira o Casa Ferreirinha.

Portanto, para aqueles que não têm acesso ao Barca Velha, o tinto Casa Ferreirinha pode ser uma ótima opção. Atualmente, está a cargo do enólogo Luís Sottomayor e sua equipe, o destino dos futuros vinhos. Parece que a lição de seus antecessores, inclusive senhor Fernando, foi bem aprendida. Que esta filosofia em busca da perfeição e tipicidade perpetue por longa data!

Esses vinhos são importados pela Zahil (www.zahil.com.br).

About these ads

Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

7 Respostas to “Barca Velha e seu segundo vinho”

  1. Roberto Says:

    Eu me acho o incentivador desses dois posts sobre o Ferreirinha e sobre os segundos vinhos dos châteaux mais famosos do mundo. Minha ignorância sobre o tema é ampla, ainda mais sobre Bordeaux.
    O conceito que ouvi uma vez numa inesquecível aula do curso avançado com o Fonseca foi que os segundos vinhos deveriam ser bem observados nas safras ditas históricas, porque nessas os preços dos mais famosos beiram à irracionalidade.
    No mundo de hoje, comprar um Latour, um Margaux, um Lafite 2000, 2005, 2009 é coisa para milionário. É como adquirir um La Tâche ou um Romanée Conti.
    Na Borgonha, o Clos de Tart, o maior monopole da região com 7,5 hectares, produz, na média, 25 mil garrafas por ano. Em anos médios ou inferiores, desclassifica as vinhas mais novas e produz o premier cru Forge de Tart, uma maneira de conhecer de modo mais acessível o irmão mais caro. (ou em safras ruins, vende para os negociantes do lado). Não se tem o mesmo cuidado que se tem no grand cru, mas é um vinho diferenciado em relação aos pares. O Forge 99 ainda está novo, começando a abrir os aromas secundários.
    Quando eu olho um Carruades, olho um Forts, eu penso: esse vinho custa 10 vezes menos que o seu parente mais famoso; essa é uma oportunidade de eu conhecer o estilo do château histórico a um preço acessível.
    Na sua opinião, só dois châteaux realmente valem à pena. Aí vêm duas perguntas. Primeira, mesmo nas safras ditas históricas, como 2000, 2005 e 2009, o Forts e o Clos de Marquis não são para envelhecer mais de dez anos?
    Última pergunta: esses segundos vinhos dos premier grand cru classes não têm o mesmo nível de um sociando mallet, de um pichon baron e afins?

    • vinhosemsegredo Says:

      Caro Roberto,
      O exemplo do Clos de Tart é semelhante ao do Barca Velha, onde um é a exclusão do outro e não o refugo. Aí você tem alta qualidade por um preço acessível.
      O Les Forts de Latour e Clos du Marquis são exceções no mundo dos segundos de Bordeaux. Eu incluiria também o segundo vinho do Montrose (La Dame de Montrose). A dica do Fonseca continua válida e vai de encontro com o que falei no post.
      Quanto à longevidade, para essas exceções em safras excepcionais, eles eventualmente podem ir além dos dez anos.
      Quanto aos outros châteaux, dificilmente eles ganham a parada frente a um Sociando Mallet por exemplo. Daí a dica em procurar um bom cru classé de preço equivalente.
      Um abraço,
      Nelson

  2. rockmann Says:

    Eu escrevi apressadamente, mas só para esclarecer. Além de ser uma “assemblage” de seis parcelas do mesmo terroir, o Clos de Tart tem outra característica que lembra os Bordeaux: ele tem um segundo vinho mesmo, que é fabricado a partir das uvas de 25/30 anos. O grand cru é produzido todo o ano. O Forge – segundo vinho – é produzido também em quase todo o ano. Nos últimos 15 anos, em 2005 não foi vinificado o Forge, porque a qualidade excepcional da safra fez com que o Sylvain quisesse as vinhas mais jovens para tornar o grand cru mais acessível.

  3. Os números de 2010 « Vinho Sem Segredo Says:

    [...] Barca Velha e seu segundo vinho Julho, 2010 4 comentários 4 [...]

  4. Os números de 2010 | Fotos antes e depois Says:

    [...] Barca Velha e seu segundo vinho Julho, 2010 4 comentários 4 [...]

  5. cesar fontes Says:

    Eu tenho uma coleçao grande e variada de Barca Velha a qual estou disponibilizando para venda, caso haja algum interesse favor entrar em contato em cesarfontes@live.com ou 21-84385604
    cumprimentos

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 732 outros seguidores

%d bloggers like this: