Archive for Janeiro, 2010

Bordeaux: Parte I

18 de Janeiro de 2010

O mapa acima mostra a aparente complexidade dos vinhos de Bordeaux, a maior região vinícola francesa  perfeitamente delimitada em 57 apelações de origem. Os números de Bordeaux (dados de 2007) impressionam em vários quesitos:

  • 120 mil hectares de vinhas
  • Produção anual: 760 milhões de garrafas
  • 3,4 bilhões de euros, sendo 1,4 em exportações
  • 32% da exportação de vinhos traquilos franceses

A fama dos Bordeaux é toda voltada para os tintos que são a maciça maioria da produção. Contudo, os brancos são injustamente esquecidos e não devem ser desprezados, sobretudo os da região de Graves.

Quanto aos doces, o grande Yquem se encarrega de valorizá-los, colocando a região de Sauternes no podium. Châteaux classificados e bem administrados são as melhores pedidas da região. Rieussec, Suduiraut, Fargues e Guiraud são exemplos  clássicos.

 

A foto acima mostra a junção dos dois grandes rios da região (Dordogne e Garonne) formando o Gironde que desaguará no Atlântico 80 km adiante. Paradoxialmente, é uma região com muita água, a princípio, imprópria à cultura da vinha. Na verdade, toda esta massa de água funciona como um verdadeiro ar condicionado, resfriando as vinhas no verão e amenizando os invernos mais rigorosos.

As classificações de vinhos em Bordeaux é uma verdadeira torre de Babel. Sem dúvida, a mais famosa é a de 1855, onde foram avaliados os melhores vinhos do Médoc e os melhores doces da região de Sauternes. Eram os vinhos mais prestigiados da época. Esta classificação torna-se cada vez mais polêmica porque é imutável. Sendo assim, esses châteaux sofreram mudanças ao longo do tempo e não podem eternamente viver das glórias do passado. Felizmente, a grande maioria faz jus à classificação, sabendo renovar-se  de acordo com sua época.

A segunda grande classificação ocorreu com os vinhos de Graves (tintos e brancos). Iniciou-se em 1953 e foi completamente definida em 1959 com dezesseis châteaux.

A terceira grande classificação são dos vinhos de Saint-Emilion iniciada em 1958, prevendo revisões de 10 em 10 anos. Seguiram-se então as de 1969, 1986, 1996 e 2006. Esta última com grande polêmica.

A tradicional classificação de Crus Bourgeois está anulada até o momento, desde sua última revisão em 2003. Existe também uma classificação pouco conhecida e também irrelevante chamada Crus Artisans, relacionada à tradicional aristocracia do Médoc.

Apesar do tinto mais famoso e caro de Bordeaux (Château Petrus), Pomerol ainda não possui classificação oficial de seus vinhos, embora não falte um grupo extremamente seleto para sua inauguração.

De todo modo, é bom  que fique bem claro que todas essas classificações são independentes entre si e absolutamente restritas às suas respectivas subregiões.

Neste primeiro apanhado geral sobre Bordeaux devemos sempre ter em mente que a fama, reputação e alta qualidade de seus vinhos estão restritas a menos de 2% de seus mais de 10.000 châteaux. Mesmo assim, estamos falando em mais de 200 châteaux de alta qualidade, batendo de longe qualquer comparação com outras grandes regiões vinícolas do planeta.

Detalhando a região, no próximo artigo abordaremos especificamente o terroir do Médoc.

Vinho e Churrasco

5 de Janeiro de 2010

 

Eis uma das paixões nacionais! Entre pobres e ricos, o que muda é  o ambiente e a sofisticação. Claro que a cerveja, outra paixão nacional, é de longe a bebida mais lembrada. Mas será que há lugar para o vinho?

Sem dúvida nenhuma, é uma bela oportunidade para você começar a educar seu cunhado. Brincadeiras à parte, vamos ao que interessa. Pensar em um só vinho acaba sendo um esforço desnecessário, já que é um evento que geralmente reune um grupo de pessoas. Além disso, vários ou pelo menos alguns tipos de carnes estarão em jogo.

A quem diga que churrasco combina com vinho branco, chegando à heresia de sugerir champagne. Uma das regras fundamentais da harmonização é você sempre ter o bom senso em equilibrar a sofisticação entre prato e vinho. Neste sentido, deixe suas grandes garrafas de lado para este evento que pede simplicidade e descontração. É claro que em certos momentos, um branco ou um espumante pode ser extremamente adequado, como veremos a seguir.

Para o ínicio dos trabalhos, recebendo as pessoas, começando a preparar as linguiças, além de petiscos e saladas, a companhia de um vinho branco de boa acidez, bem como um bom espumante, costuma ser convidativa e agradável. A chave da harmonização é o frescor  destes vinhos que combatem com eficiência gordura e eventuais molhos de certa acidez, além de manter o paladar devidamente aguçado. Afinal, temos muitas etapas pela frente. Aqueles que não conseguem se entender com brancos e espumantes, podem começar pelos tintos também de boa acidez e relativamente leves. Os europeus de um modo geral dominam este ambiente, notadamente os italianos (Barberas e Chiantis, todos simples e sem madeira).

Num segundo momento, podem entrar em cena carnes brancas como frango (peito, coxas), peixes (salmão, pintado) e costelinhas de porco, por exemplo. Ainda aqui, é um bom terreno para os brancos, especialmente os Chardonnays com toques de barrica. A textura destas carnes e o próprio sabor tostado da grelha parecem andar juntos com esses brancos amadeirados.

Para os carnívoros que tem paciência e moderação, começa o desfile de carnes vermelhas. Este é um dos poucos momentos que podemos agradar de forma admirável os taninos de bons tintos, um dos maiores vilões da enogastronomia. Evidentemente, estou falando para quem sabe apreciar carnes vermelhas ao ponto e não aquela sola de sapato. A suculência da carne vermelha forma um casamento perfeito com os temidos taninos. Aquela estória que o sal do churrasco atrapalha os tintos é para quem não sabe fazer churrasco. O bom churrasco não é salgado. O sal vem na medida certa, como qualquer outro prato salgado. Na verdade, o sal grosso tem a função de ajudar a selar a carne, preservando sua suculência, salgando-a na medida certa, desde que você tome o devido cuidado de bater o sal da carne antes de servir. O exemplo extremo deste procedimento é quando fazemos um peixe inteiro assado envolto no sal. O resultado final é uma carne  extremamente úmida, delicada e com sal no ponto certo.

O que realmente devemos estar atentos neste momento são os acompanhamentos destas carnes. Molhos agridoces, ácidos, apimentados, além de  “farofas personalizadas”, podem ser verdadeiras ciladas para os tintos tão esperados. Por isso, é importante termos vinhos jovens, de boa acidez e bastante fruta, que ajudam minimizar eventuais arestas.

Se for o caso de um gran finale, deixe aquele tinto especial, fino e às vezes fragilizado pelo tempo para o melhor corte de carne que você reservou. Neste caso, cerque-se apenas de pão ou alguma guarnição neutra que sobretudo valorize o astro principal sem arranhões.


%d bloggers like this: